30 de jun de 2016

Nasci sem saber nada e vou morrer sem aprender tudo - Um TCC na minha vida

Minha Banca Examinadora: professores Marzo Vargas e Cristina Goularte (lado direito) e professor orientador Mauro Melo (grande incentivador das minhas construções acadêmicas)
 
                  O mundo acadêmico tem seus segredos e desafios diários. Já pertenci ao grupo de pessoas que afirmam que se ficarmos presos ao mundo teórico, não atingiremos a plenitude da prática. Será verdade?? Não creio. O ideal, certamente, é o equilíbrio das coisas. Quem ingressa na "Acadimia" sabe que o negócio não é brincadeira!! É Projeto de pesquisa, prova, Seminários, Congressos, leituras diferenciadas, Lattes, power point, artigos, publicação e tudo que podemos pensar em termos de "pedreira". Mas é bacana, afinal se fosse fácil que graça teria??
                Pois, tem o tal TCC...Trabalho de Conclusão de Curso - na reta final. Coisa de tirar o sono. As dúvidas começam quando vamos escolher o tema e o orientador. O primeiro de nossa preferência não agrada o segundo. E vice versa. O orientador tá afinado e o tema é chato. O orientador tá sem tempo e a temática escolhida maravilhosa. Enfim, incerteza por um longo tempo.
Reune artigos, planeja a pesquisa, identifica o problema (que neste caso, necessariamente não precisa ser um problema, conhecido pelo senso comum...kkkk). Depois vem a pesquisa> Quantitativa, qualitativa, exploratória, descritiva e "trocentos" nomes que não lembro. Descobri que minha técnica de pesquisa preferida é o GRUPO FOCAL (roda de conversa e transcrições e interpretações).
               Ontem na madrugada, enquanto repassava os últimos detalhes da apresentação do meu TCC, minha querida parceira, PATY, aproximou-se. Afagou minha cabeça e perguntou novamente se eu ficaria nervoso com a presença dela no evento. Respondi que sim, pois não dominava muito bem o assunto e estava tenso em relação à performance. Ela imediatamente me alcançou sua "medalha da Nossa Senhora das Graças" me desejando sorte. Acordei muito cedo, mesmo dormindo tarde, tomei um café, vesti minha camiseta de São Jeronimo, juntei minhas anotações e parti rumo à Restinga.
                Na hora definida, já com a Banca Examinadora posicionada, a sala foi enchendo de colegas para torcer e prestigiar a apresentação. As mãos suavam friamente, mas a fala fluía. O tempo estava controlado. Minha colega Renata sinalizou da plateia alertando que faltavam 10 minutos. Tempo suficiente para dissertar um pouco mais sobre o "Abandono das práticas esportivas no ambiente escolar".
               Ao final ouvindo atentamente as considerações realizadas pelos professores, membros da Banca Examinadora, professores Marzo Vargas, Mauro Melo e Cristina Goularte, fui relaxando um pouco mais. Após os tradicionais questionamentos, a conversa foi fluindo melhor. Detalhes da pesquisa e coisas do gênero.
               Anunciada a  nota e a respectiva aprovação, a emoção tomou conta da sala. Um pouco de riso, em meio a lágrimas e momentos de puro relaxamento por mais uma etapa ultrapassada. Falta pouco para a graduação estar completa.
               Seguimos o baile. Agora um pouco mais "enfeitiçado" pela busca da aproximação do mundo acadêmico ao mundo empírico. Aproximar a teoria da prática é tudo de bom. Obrigado a todos envolvidos na conquista, às Políticas Públicas do nosso querido Brasil que possibilita a existência de uma Instituição de Ensino Superior numa comunidade periférica de Porto Alegre que ainda não descobriu a riqueza e a excelência encontrada no IFRS/Restinga.
               Confesso...To MUITO FELIZ!!! \0/\0\/\0/\0/\0/\0/ 
 
"Nasci sem saber nada e vou morrer sem saber tudo". Mestre Marçal - sambista carioca