9 de out de 2014

O rádio e seu alcance



              Posentão...

              Não é tarefa muito fácil manifestar-se de forma sucinta sobre algo que gostamos. Quem me conhece um pouco sabe que sou um sujeito "ligeiramente esquisito". Há momentos que falo demais, outros emudeço. Em algumas rodas de conversas monopolizo as falas, em outras nem meu nome consigo dizer. Mas acredito que seja mais um mistério da vida. Nossa orelha esquerda nos provoca a do lado direito nos freia.
              Mas o assunto rádio e tudo que o cerca, confesso dobrar os joelhos. Por que?? Posso comunicar com as pessoas, perco minha timidez, ganho minha ousadia, escuto músicas que adoro, me sinto obrigado a ouvir aquilo que não gosto tanto (afinal, o rádio é uma ferramenta democrática. To certo produção??). Provocado pelo prazer que tenho em ouvir rádio fui buscar uma qualificação na FEPLAM. Naquele convívio entre doidos, num grupo heterogêneo onde loiro compunha samba, índios cantavam tangos, senhoras tinha voz de "gatinha", mocinhas tinham voz firmes e aveludadas, os apaixonados por futebol comentavam e narravam suas partidas. Enfim, tempo bom...
Passado algum tempo fui convidado para elaborar, produzir e apresentar um programa de rádio. Isto mesmo. Naquele momento nascia o Armazém do seu Brasil, na rádio Estação Web (Culpa tua Rogério Barbosa, seu irresponsável!!). Era apresentado em uma única edição semanal (aos domingos, das 13h às 15h). Os números foram tão positivos que passamos a apresentar uma reprise nas quartas-feiras. E o que eu pensava sobre tudo isso?? Nas nuvens, pois uma rádio web atingiria dezenas de casas e ouvidos com o samba que escolhia, minhas considerações sobre o Brasil, minhas reflexões e o grupo de pessoas que aumentava gradativamente. Hoje, o Armazém do seu Brasil está consolidado na grade da emissora. Audiência de várias partes do Brasil, da América Latina e do Mundo (Ouvintes em Amsterdan, República Tcheca, Portugal e Alemanha).
               O tempo passou e fui bater na porta do NUCC para ampliar meus conhecimentos. Putz!! Coisa boa!! BEM BOA. E o que é o NUCC?? Núcleo de Comunicação Comunitária da Fabico/UFRGS. E o que discute, propõe este coletivo de jornalistas, professores, acadêmicos, pessoas comuns, pensantes, publicitários e interessados pelo rádio?? Eu poderia contar detalhadamente sobre minhas vivências, aprendizados e troca de conhecimentos que adquiri por lá. Mas não vou. Sugiro que façam através da participação da próxima oficina de rádio comunitária que começa na outra semana (conforme flyer acima).
              Aparece por lá: os incansáveis Rodrigo Jacobus, o Matheus, a Jade, a Flavinha, o Caco, a professora Ilza Girardi, Clarissa e todo o time que promove a comunicação "sem donos", sem limites e com o desafio de atingir e informar um maior número de pessoas possíveis neste NOSSO BRASILZÃO.
          Eu to dentro da "barca"...e tu vai ficar no Cais??

Edinho Silva  

Quer ouvir o Armazém do seu Brasil??
Acessa lá www.radioestacaoweb.com
Todos os domingos, das 13h às 15h e nas quartas-feiras, a partir da meia noite.

Os Caminhos Rurais e o encontro com a natureza






                  Através de minha retomada aos estudos diários que faço desde o ano passado tive acesso de forma diferenciada de um lado BEM BACANA que não conhecia da Cidade Sorriso. Sou acadêmico de Gestão Desportiva e de Lazer do IFRS/Restinga e entre tantos temas discutidos em sala de aula temos acesso a outras tantas temáticas do turismo do Brasil. Em meio a tantas atividades em sala de aula, fui apresentado pela colega Renata Fontoura os famosos CAMINHOS RURAIS. Onde ficam?? Numa das pontas da Cidade, na extrema zona Sul de Porto Alegre. Mas afinal o que são os "Caminhos Rurais" no contexto turístico da Capital do RS?? Um roteiro de contemplação de áreas verdes, animais, propriedades rurais, produtos orgânicos para consumo e comercialização, passeios de charrete e a cavalo, momentos de calma e tranquilidade bem distante da agitação da área central. A partir do mês de outubro  a Secretaria Municipal do Turismo em parceria com moradores e empreendedores rurais da Zona Sul  e desenvolveu o Projeto chamado de  roteiro Domingo no campo.
                  Através de um pequeno um pequeno deslocamento em ônibus panorâmico adaptado para trafegar fora da zona urbana os passeios deverão percorrer pequenas propriedades rurais do extremo Sul da capital gaúcha. Em cada passeio serão visitadas duas propriedades, sendo que na primeira ocorrerá um almoço com cardápio baseado em produtos orgânicos, caseiros e naturais. Na segunda propriedade, os participantes poderão usufruir de passeios de charrete, de trilha na mata atlântica preservada na região e fazer parte de oficinas que oferecem experiências rurais, como o plantio de árvores, entre outras atividades de vivências rurais e ecológicas acompanhadas de lanche da região.
Outra novidade é que os passeios ocorrerão com qualquer número de pessoas inscritas e em quaisquer condições climáticas. As saídas ocorrem às 10h, em frente à sede da secretaria Municipal de Turismo, na Travessa do Carmo, 84, bairro Cidade Baixa. O retorno é previsto para as 17h, com desembarque do ônibus no mesmo local.
                

Serviço completo:
Os passeios dominicais são operados pela agência de turismo receptivo Rota Cultural, que dispõem de mais informações e reservas pelo e-mail alo@rotacultural.com.br ou telefones (51) 3348-1649 e 9985-8303.

Fonte:
http://www.portoalegre.travel/site/prod_programas.php?idIndice=28&bitPesquisa=1




Andando de ônibus por aí




Andar de ônibus pode nos trazer surpresas agradáveis. Outro dia circulava pela Cidade a bordo de um ônibus quando vi afixado numa janela o texto abaixo:

"Circo de um só - por André Luis Soares

Vou fazer da minha um circo
Vender pipoca e pirulito, animar plateia
Balançar no trapézio, pra fugir do tédio
Dançar na corda bamba, alegrar crianças
Ser malabarista. mambembe, saltimbanco
O mágico franco que nunca se rende
E some de verdade para se reinventar
Em cada nova cidade onde se armará a lona
E o Espetáculo há de durar o dia inteiro
Quando em meio ao picadeiro abrirei os braços
Enquanto me deito em cama de faquir
E antes que eu me alcance o cansaço
Hei de me tornar o mais perfeito palhaço
Só pra ver você sorrir."

Não é bacana, isto?? Respeitável público. Em tempos de Tiririca, Kiko como embaixador da Copa (lembram disso??), Bancadas da bala e da bola Brasil afora e tudo mais. Poesia, meus amigos...muita poesia, balas de goma e picadeiro.
Tenham forças!!!

Edinho Silva

De gole em gole...


Esta quem me contou foi o Carlito Trovão...

 
                     Festão na casa do compadre Régis. Formatura no curso de Psicologia do seu filho mais velho Bernardo. O evento de grandes proporções tinha de tudo: salgadinhos, destilados, galeto, gente bonita, bebidas a vontade, "gente penetra", docinhos, música boa e muita coisa legal. Tudo na conta do "Cumpadi Régis", como é conhecido o dono da casa.
                   A opção em comprar cervejas em lata partiu do sogro, o Betão Ventura, também responsável em descobrir os melhores preços e as melhores marcas. Conseguiu valores bastante atraentes. Latões a R$1,99. Coisa boa e fartura na certa.
Festa rolando e o dono da casa, "Cumpadi Régis" ia recolhendo as latas vazias espalhadas pelos ambientes da casa. Num determinado momento o cara encontrou uma lata aberta e "ligeiramente pesada" sobre um balcão. Imediatamente alcançou ao cunhado, solicitando um destino para tal lata. Gilnei, o padrinho do formando, professor de uma Universidade de Porto Alegre, sujeito refinado apaixonado por tomates, não vacilou no cumprimento da tarefa. Pelo peso da lata, o Gilnei colocou a lata dentro do freezer para "pegar mais uma temperatura". O evento prosseguia e o "cumpadi Régis" parou ao lado da geladeira para relaxar um pouco. Abriu o freezer por curiosidade e avistou a tal lata pesadinha e suada pela temperatura. Deu uma sacudida e lascou um "baita gole" na tal cerveja. Imediatamente, cuspiu TUDO fora. A tal lata tinha servido de cinzeiro de algum convidado MAIS PORCO que depositou dezenas de baganas de cigarros no recipiente.
                 Pára TUDO!!! O "cumpadi Régis" indignado correu até o dj e pediu para avisar os convidados que a festa prosseguiria apenas mais 30 minutos. Enfurecido, bradava: "Pôca da vergonha, o cara se mata trabalhando para dar comida e bebida para estes filhos da p#@* e ELE vem na minha casa fazer palhaçadinha??" "Não admito isso"!!!
Pensando bem, o anfitrião estava certo. "Para espetar a carne e fazer o fogo? Ninguém...Mas para comer o churrasco pronto, TODOS QUEREM.   Amizades enlatadas....por algum tempo!!  

Vai começar o baile....vai perder?? Tá na hora meu amigo....




            Há 40 dias fui procurado pelo meu grande parceiro e amigo, Luiz Fernando Silva, experiente produtor musical de Porto Alegre para "agregar" num Projeto cheio de audácia, de swing e de balanço. Conseguem imaginar o que seria?? Putz. Uma releitura e uma justa homenagem ao grande e inesquecível Bedeu. Seus filhos e sobrinhos ouviram os pedidos dos amigos e decidiram reunir as clássicas e inéditas do familiar swingueiro e lançar o grupo Tribo Guerreira.
           Quando o Baile começa?? Deixa só os Paus-Brasil Alexandre Rodrigues e o Paulinho Romeu, o Luiz Wagner - guitarreiro, o Zê e o Eduardo Pitta chegarem no Preto Zé, dia 16/10/2014 (quinta-feira), a partir das 22h. A TRIBO e sua retaguarda de "responsa" prometem sacudir a cidade.
A Cidade Baixa não será mais a mesma. Duvidam?? Então me acompanha no balanço e entra no baile.
Eu vou...e tu, vai "tremer na base??"

Edinho Silva

Saca só minha contribuição para a fuzarca...

"Ta na hora, meu amigo... antes que você esqueça... De mandar pra todo mundo que "CE" tem nessa cabeça?"

Como esquecer a obra suingada de Jorge Moacir da Silva - o Bedeu? Em maio de 2014, o Grupo TRIBO GUERREIRA, formado pelos filhos e sobrinhos decidiram colocar as mãos nos instrumentos e soltar a voz para revigorar e promover ainda mais a obra de "clássicos" e composições inéditas de Bedeu.

TRIBO GUERREIRA é... THIAGO, frequentador de Escolas de Samba desde criança e ouvindo os ritmos e batucadas de seu pai transformou-se num exímio percurssionista. CASSIANO, (filho mais novo), também herdou o gosto pela percussão, tem uma batida diferenciada ao tocar os timbales e pandeiro. ALEX em certos momentos ao cantar lembra o Tio, gosta de compor e fazer arranjos, com suingue nas veias, seu prazer é tocar violão. ADRIANO, a muitos anos participa de grupos vocais de Black Music. Ao cantar personaliza as belas canções do Tio, seu grande incentivador.

O "Caminhão da swingueira vai passar..." TRIBO GUERREIRA de forma original, com arranjos, interpretações próprias e reeditando a obra do talentoso parente famoso, tem no repertório musicas de "Tim Maia’, "Jorge Ben Jor", "Hildon", "Raça Negra", ‘Só Pra Contrariar", e as clássicas do BEDEU como "Tribo Guerreira", "Nega Olivia", "Grama verde", "Minha Preta", "Menina Carolina", "Kid Brilhantina"..., Hoje a cena musical brasileira impulsiona os ritmos de baile através dos balanços e da ginga destes cenários renovados. Como dizia o "BEDEU": Suingando num clima de paz, numa intensa harmonia, valorizando acima de tudo esse coração percussivamente sofrido, apaixonado, vagabundo e sonhador."