3 de out de 2014

Em tempos de eleições, um bate papo com a turma do Armazém


 
          Nas últimas semanas os assuntos que mais circulam pelas cidades brasileiras são as eleições para o Governo, Assembléia Legislativa, Congresso Nacional, Senado e a Presidência da República. Propagandas políticas espalhadas por todos os lados. Altos investimentos nas gráficas, agencias de propaganda e jingles. Cavaletes "decorando" as ruas e bandeiraços nas esquinas movimentadas. Horários políticos nos rádios e na tv, cabos eleitorais comprometidos (alguns enlouquecidos), alguns moderados, outros cegos, alguns remunerados outros voluntários. Candidatos com nomes esquisitos e plataformas esdruxulas. Falsas promessas de um lado, compromissos sérios de outro. Candidato do partido A detonando a candidata do partido B. Alianças duvidosas, agressões nas redes sociais, denúncias infundadas e outras pertinentes. Enfim, uma efervescência completa.  
            Reuni a galera do Armazém para conversarmos sobre o tema antes do churrascão e da roda de samba de todos os domingos. Muitas opiniões divergentes, porém respeitosas. Algumas contundentes, outras amenas, mas tudo dentro da ordem civilizada de uma reunião entre amigos. Como sempre o primeiro a manifestar-se foi o inquieto e rebelde Zeca do Surdo: "Pô, mermão!!Que palhaçada é esta que andam dizendo por ai ou espalhando nos adesivos dos carros?? Não viram?? Está escrito o seguinte: "EU NÃO DESISTO DO BRASIL". Ora, bolas!! Que coisa sem noção, né "meissmo"?? Putz. E não é que o "homi" tem razão?? Tanto slogan bacana, bem humorada e tal. Este da desistência do verde e amarelo é infame demais. O tio João do Brasil é mordido com os candidatos da Bancada da BOLA. Outro dia, disse que ouviu no facebook (Acreditem, a família do Armazém também aderiu às redes sociais??) uma entrevista com o ex-atacante gremista Jardel onde respondeu ao ser questionado se era "de direita ou de esquerda"? O mesmo respondeu o seguinte: "Pode ser de cabeça??"E na sequencia perguntaram a ELE sobre homofobia?? De imediato, respondeu: "Ih, me pegou...posso responder outra hora?". Indignado, o tio João do Brasil, disse ainda que ouviu um áudio do Felipão Scolari na propaganda do número 9 gremista. "Assim, nem os "alemão" respeita!!" disse o dono do bar.
              A conversa começava a ficar animada quando a dona Morena e a Tianinha (que vota em trânsito, pois até hoje não transferiu seu título) falavam das mulheres na política. Da gaúcha Luciana rasgavam elogios, mas da senhora "das matas" a vaia pegava. "Hum!! antes do avião cair ninguém falava na cabeça de formiga. O "bicho de asas" caiu, ELA fez uma selfie no velório do falecido e disparou nas pesquisas, virando "a melhor de todas as opções". Vá entender o povão, né nega??" - pergunta a Tianinha. Dona Morena, por sua vez, disse que a prima da Hebe Camargo, candidata ao governo do RS também a confunde. Uma senhora do mundo dos agronegócios, dos latifúndios, das feiras agrícolas, circulando com desenvoltura nas vilas. "Tenho vontade de chorar!" diz a mulata. Complementa ainda: "Outro dia, falava na tv e no rádio sobre tudo e todos. Agora posa de boa senhora". Aliás, o catedrático Doutor Totonho é impaciente com este pessoal que faz comunicação a vida toda e depois salta para a carreira política. Costuma dizer o seguinte: "As frutas do butizeiro saltaram da minha calça de linho quando o jornalista Hélio Costa saiu dos estúdios e migrou para a carreira política". Imaginem há quanto tempo o Totonho já vem acompanhando o esta coisa de comunicadores usarem suas imagens e suas vozes para angariar votos. E o fenômeno Collor de Melo?? Neste, a opinião é unânime. SEM COMENTÁRIOS.  
             O tio Carlito Trovão é bronqueado com a mistura que o pessoal faz com poder político X poder religioso. Segundo, o amigão do Armazém não tem nada a ver comandar as pessoas literalmente pelo cabresto. E assim, fazem os pastores (quase Ministros). Até o jovem Zé Prettin, lasca seu pitaco: "Pô, galera: Fico doido mesmo é com as informações com reservas. Os candidatos sequer falam para a turma qual o real papel e competência dos cargos a serem ocupados!" Finaliza, antes de virar o espeto de costela, um verdadeiro "NOJÃO!!".
             O que dizer destas declarações. VIVA A DEMOCRACIA, viva o Brasil, coturnos NUNCA mais, investigação e punição aos responsáveis, percepção e sensibilidade, bons fluidos, justiça social e cumprimento à Constituição Brasileira em todos seus aspectos. Simples.
              Bom voto e beijão a todos.

                         Edinho Silva 

30 de set de 2014

No embalo do Brasil, vamos sambar


imagem extraída do blog http://4.bp.blogspot.com/…s1600/Roda_de_Samba_A.jpg                

 
                    Se há dúvidas sobre a origem do samba ou se devemos comemorar apenas no seu dia (02 de dezembro), eu tenho outras certezas. Alguns afirmam que o samba é originário da Bahia (século 19) a partir de uma mistura de ritmos africanos. Outros afirmam que foi no Rio de Janeiro, pouco tempo depois. Lá inclusive, registrava-se a gravação do primeiro samba (1917) – "Pelo telefone", uma composição de Mauro de Almeida e Donga. Francamente, acho esta discussão desnecessária por entender e reconhecer a importância do samba no poder de agregação, energia e vibração propostas pela execução, pelas danças e suas cantorias.

                   Ainda criança ouvia no colo de meu pai, nos finais de semana, o disco de vinil da maranhense Alcione, rodando na velha vitrola o samba "...Não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar..." Numa época em que também fui apresentado aos cariocas Jamelão e Martinho da Vila, dos paulistas Adoniram Barbosa e seus Demônios da Garoa, do gaúcho Lupicinio Rodrigues e de tantos outros nomes clássicos do cancioneiro nacional.

                   Pois, para nossa sorte o SAMBA não morreu e, tampouco, agoniza. Além disso,mesmo enfrentando narizes torcidos, caras amarradas, perseguições e preconceitos de todas as partes o gênero atravessou gerações. E nas composições de grandes e clássicos compositores como Noel Rosa, Cartola, Mário Lago, Guilherme de Brito, Nelson Cavaquinho, Monarco, Manacéa, Arlindo Cruz, Ivone Lara, Sérgio Meriti e tantos outros podem reforçar ainda mais sua força e seu valor como patrimônio cultural brasileiro. Repleto de histórias e personagens como dona Esther da Portela que, juntamente com seu marido, seu Euzébio tiveram papel importante na idealização da grande escola de samba carioca Portela. De dona Ciata que recebia seus parentes e amigos em deliciosas feijoadas animadas por rodas de samba em sua casa. De histórias como a da formação do grupo musical Fundo de Quintal, sua relação com o Cacique de Ramos, a tamarineira e tudo que foi concebido a partir da concentração dos amigos junto à referida árvore. Do saudoso trio portoalegrense Bedeu, Leleco Teles e Alexandre Rodrigues que na composição "O samba e suas origens" referia instrumentos musicais percussivos, ritos, magias, Zé Pereira e seu surdo original e, sobretudo, os cantos e versos onde se ouve que "o samba não é privilégio e se aprende no Colégio".

                 Pois, é isto mesmo. Exatamente o que penso. Seja nos grandes desfiles de Carnaval Brasil afora, nos condomínios chiques, nos terreiros, nas casas noturnas, nos bares e botecos, em festas particulares, festivais de musica, programas televisivos, emissoras de rádio e nas rodas entre amigos o SAMBA é escrito em letras maiúsculas. Assim como seu povo, considero a cara do Brasil.

                Pega o cavaco, o surdo e o pandeiro. Não tem?? Não fique triste, bate na palma da mão e cai no samba com a gente.

Edinho Silvaacadêmico de Jornalismo e de Gestão Desportiva e de Lazer, blogueiro, agitador cultural e outras coisitas.



Fonte: armazemdoseubrasil.blogspot.com (blog cultural bem brasileiro)