4 de out de 2017

SARAVÁ - Em tempos de intolerancia religiosa - por Déborah Rosa

                                                                                                                Créditos: Fabricio Lima


           Posentão...

         Nos últimos tempos os meios de comunicação mostram em diferentes lugares do Brasil cenas chocantes de intolerancia religiosa por todos os lados. Infelizmente, não é novidade.
Lembram do pastor evangélico há alguns anos chutando literalmente uma imagem da padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição?? Pois, para quem pensou que ficaria só nos xingamentos, errou feio. 
        As coisas ficaram feias e tristes sob todos os aspectos. È religião misturando-se na política, nos comportamentos e conceitos individuais. E a FÉ de cada um, onde fica fica?? E o respeito a cada religião?? Sei lá...tá tudo virado.
       Cada um deve fazer a sua parte e EU farei a minha ao convidá-los para o espetáculo da intérprete santa-mariense DÉBORAH ROSA e talentoso grupo.
     O show intitulado "SARAVÁ & Samba é uma mistura de CELEBRAÇÃO, ESPIRITUALIDADE, ENERGIA, ARTE, MÚSICA, CANTO e FÉ. 
     Alguns portoalegrenses já conheceram uma parte do show, quando a Déborah fez seu lançamento no Venê, no mês de Setembro. O Areal da Baronesa, antigo reduto do príncipe Custódio já trepidou naquela oportunidade e agora chegou a vez da área Central e demais espaços de Porto Alegre.
       Por acreditarmos, EU e a Déborah e sua equipe, na força e positividade que uma reunião de gente bacana  possa promover no combate à intolerancia garantimos a famosa afirmação do baiano Gilberto GIL: "Anda com fé...Ela não costuma faiá!!"

Edinho Silva
  

Serviço:

Quando? dia 09/11/2017 - quinta-feira, às 20h
Onde? Cia de Arte - rua dos Andradas, 1780 - Centro Histórico de Porto Alegre
Investimento cultural? a produção da artista prometeu informar  nos próximos dias os locais de comercialização e valores.
Apoio cultural: armazemdoseubrasil.blogspot.com (Edinho Silva)

 

3 de out de 2017

Comida boa é a que faz chorar...




                   Esta quem  nos contou foi a Dona Morena...jura que é verdade!!

               O episódio relatado ocorreu na comemoração das Bodas de Ouro dos tios Arnaldo e Cotinha, em Passo Fundo. ELA dona de casa e professora aposentada, ELE pecuarista de "grife" completavam 50 anos de casados e decidiram comemorar em grande estilo a data marcante.
Fartura na comida e na bebida, requinte nos serviços e na decoração, a melhor música do RS tocando nas caixas acústicas do ambiente, toda a alta sociedade e toda a "parentada" reunida. Tinha parente de todo tipo: dos mais bacanas até os mais chatos. Crianças, velhos, separados, casados, parentes de todas as gerações. Festa forte e para 500 talheres.
                 Vieram parentes de todos os cantos do Mundo. Gente da Região Metropolitana de Porto Alegre até locais mais distantes como Tóquio - a capital do Japão. Sim, dois sobrinhos netos do seu Arnaldo estudavam na cidade do Sol nascente.
                  Porto Alegre estava representava por alguns convidados. Dona Rebeca, irmã de Cotinha, convidou sua filha Carina, seu genro Miltinho e seu neto Leonardo para acompanhá-la. Após a missa celebrada em homenagem aos noivos, os convidados rumaram para o luxuoso Salão de Festas do Clube Caixeral - reconhecido como o mais chique e melhor da Cidade de Passo Fundo. Os garçons, em grande quantidade, espalhados pelos espaços circulavam com suas bandejas trazendo bebidas e os pratos servidos à mesa (Serviço à francesa). 
               A comida preparada contemplava os mais diferentes paladares. Dos peixes nobres às carnes exóticas, Cozinha Internacional para todo o lado. Do sushi à culinária espanhola.
               Acomodados numa mesa estrategicamente posicionada os convidados, digo, parentes da Capital, dona Rebeca, Carina, Miltinho, Leonardo, tio Rodolfo, tio Honório, tia Marcela e a "exibida" tia Quitéria. A turma da Capital estava adorando a festança,  degustavam tudo que era servido à mesa. Num determinado momento, o garçon ofereceu comida japonesa e suas guarnições. Muito yakissoba, sashimi e sushi. Vieram também algumas especiarias, entre elas o tal "wasabi" - a raiz dos deuses, segundo alguns. Tia Quitéria, a mais "chique" e mais "informada" da turma passou a mão num dos talheres e levou à boca uma porção generosa de wasabi (raiz forte). As pessoas que conheciam tal alimento, entreolharam-se e espantados perguntaram à "parente conhecedora" de comida internacional: "Quitinha, não percebeste que esta pasta é forte demais? Perguntou tio Honório, seu marido. Resposta veio na hora: "Não estou acostumada com comidas temperadas e coisas fortes".
              O pequeno Leonardo, perguntou ao Miltinho, seu pai: "Papai por que a titia está com lágrimas nos olhos??". "Acho que é emoção, meu filho." - respondeu Miltinho. A mãe do adolescente espirituosa sugeriu ao adolescente: "Pergunte a titia, qual a razão das lágrimas, Leonardo?"
               O Miltinho jura de pés juntos que ninguém riu na mesa. TODOS perceberam as "emoções" da titia Quitéria, mas ninguém achou graça. Tio Rodolfo, conhecido pelo jeito debochado de encarar a vida, não vacilou e lascou: "É emotiva esta minha prima, hein? Nunca vi ninguém igual..."
                E assim para a alegria dos anfitriões a festa prosseguiu sem a presença do tio Honório e da tia Quitéria, que decidiu ir embora mais cedo em função de compromissos no outro dia.



Nota de esclarecimento:  O wasabi também é conhecido pelo sabor forte e picante, por isso, deve ser usado em pequena quantidade, somente para realçar o sabor natural dos alimentos. Além dos sushis e sashimis, a raiz também pode ser utilizada das seguintes formas: ralada em saladas, sopas e carnes prontas; para acentuar o sabor de um condimento à base de mostarda e nos molhos em geral.