26 de dez de 2016

Bruno Fontana - o novo colunista do Armazém do seu Brasil em 2017

 


Fonte da imagem:
acervo pessoal do novo colunista

Qual o preço de sermos o melhor que podemos ser? Que venha um novo ciclo, mais consciente.
                Chega fim de ano muitos de nós paramos pra pensar, analisar aquilo que passou, com todo simbolismo que esse período traz: o fim de um ciclo e o início de outro. Passamos por isso durante toda a vida, mas por que às vezes é tão igual, sem grandes novidades positivas?
               Sonhamos com um novo início, novas oportunidades, novas experiências e conseguimos só prever coisas boas, que o próximo ano traga consigo maravilhas e seja melhor que o anterior. Bom, sonhar é maravilhoso, e arrisco dizer que sonhar é uma fagulha que transcende a alma, sonhar saudável, sonhar possível e “impossível”, sonhar é o que nos leva para onde entendemos nos fazer mais felizes, mais plenos. Sonhar é viver na mais pura essência que a palavra “viver” pode representar. Mas, por vezes não conquistamos nossos sonhos no tal “ano novo” e nos frustramos, chega novembro e bate aquele peso que a pergunta “conquistei o que queria no início deste ano?” traz. Mas, logo ali já é ano novo, de novo, e vêm mais sonhos, mais metas, mais entusiasmo por estar se encerrando esse ciclo que não deu certo e iniciando outro que vai dar: “agora vai! Agora vai ser diferente! Esse é meu ano!”.  Como um ano diferente vai ser responsável por trazer sucesso para pessoas que são as mesmas, que não aprenderam? Os anos, o tempo, apenas existem. Não assumem a responsabilidade de levar sucesso pra alguém.
            A mente humana é extremamente criativa positivamente para aquilo que não viveu: “se eu tivesse feito isso ou aquilo, hoje teria sucesso”. Calma, outros caminhos também teriam suas dificuldades, que não conseguimos conceber pelo fato de não termos sofrido com elas, então nos resta praguejar as pedras do nosso caminho e sonhar com a grama verde do vizinho, sem saber das dificuldades para deixá-la assim.
             Mas, então, como é que eu saio desse “ciclo vicioso”? Não é fácil, adianto. Porém, qual é o preço que vale teu sucesso? Qual o preço que vale tua felicidade, paz de espírito por ter feito o que pôde? Pra que consigamos começar a ter sucesso precisamos mudar a nós mesmos. Olha... Que clichê, não é mesmo? Pode ser, contudo, as frases e dicas mais impactantes do mundo sempre estiveram acessíveis a nós, e o que fazemos com isso? Refletimos com profundidade? Nos melhoramos ou só postamos no Facebook? Exemplo: “conhece-te a ti mesmo” (Sócrates) ou “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas” (O Pequeno Príncipe). Aposto que tu já leste em algum lugar essas duas frases, mas parou pra vivê-las? Absorveu o que dizem?
            Convido-te a ler e refletir sobre elas, todos os dias, e te garanto que em alguns momentos tu terás compreensões diferentes, pois à medida que cresce a tua maturidade de entender, cresce a tua capacidade de agir e motivar-se.  Desejo, do fundo da minha essência e minha alma, que neste início de ciclo que é o ano de 2017, nós melhoremos a capacidade de nos conhecermos, vencendo nossos pontos mais fracos e potencializando os fortes, e sejamos conscientes de que somos responsáveis pela nossa própria realidade.
            Que sejamos o melhor que podemos ser dentro das nossas limitações e potencialidades. É com muito amor que escrevo essa breve passagem, e que a semente que aqui contém, floresça gigante dentro de todos nós.

                                   Bruno Fontana - massoterapeuta, acadêmico de Educação Fisica, terapeuta vibracional e corporal

Posentão...        Na última semana de dezembro de 2016, gostaria de apresentar o mais novo colunista do Armazém do seu Brasil - Bruno Fontana. Chega na conta das parcerias da filhota Karol e que, gradativamente foi estreitando  as relações com nossa família. Conversando, compartilhando vivências e construindo "coisas" para um Mundo mais leve, mais justo e mais igual. Opiniões que convergem para o que pensamos por aqui no Armazém do seu Brasil.
       Então quinzenalmente teremos textos sobre comportamento, sentimentos, sociedade contemporânea, energias alternativas e outras coisitas.
Vamos??
Abraços,

Edinho Silva


23 de dez de 2016

Sérgio Peixoto - Um olhar generoso na direção do Carnaval e da Cultura Popular no RS

    O internacional bailarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus cumprimentando o pesquisador Sérgio Peixoto - arquivo pessoal do CETE

         Posentão...

           Tristeza pouca é bobagem!! Num tempo em que, ações políticas de todas as origens e esferas, sejam elas nacionais, estaduais e municipais, chegam  afrontando e ameaçando a todos que apreciam, lutam e vibram com Cultura Popular e todas as manifestações próximas a ela, principalmente em terras gaúchas, nos chega a triste notícia da "passagem" do Sérgio Peixoto. Aplicado pesquisador, incansável estudioso, temista de grife, polêmico, generoso, e fundamentalmente, um artista inquieto e ousado.
       Estivemos juntos em algumas oportunidades, onde prevalecia o tratamento cordial entre professor e aluno. Sujeito educado, de personalidade forte, amado por muitos, questionados por outros tantos, mas nunca tímido na disposição em ajudar a quem necessitasse.
Em 2011, nas minhas "maluquices" em propor reflexões e conversas sobre Cultura Popular, Gente, Samba e Carnaval, através de um dos muitos projetos que idealizei cheguei até o Sérgio Peixoto que conversaria com os meus convidados sobre Temas Enredo, Gestão e coisas do Carnaval. Mais ou menos 40 minutos antes do horário combinado, "o cara" chegou ao local. Trazia sob o braço um radinho onde acompanhava uma partida do seu time do coração (Gremio futebol Portoalegrense). Sem roteiros específicos conversamos sobre os mais diversos temas que envolva Carnaval e samba. Falou de costureiras e profissionais de barracão, de como nascia e se desenvolvia um tema enredo, profissionais e artistas do mundo carnavalesco. Desfiles em Porto Alegre, no RS e no Brasil. Um verdadeiro arquivo sobre a temática.
          Passou um tempo, reencontrei no Sambagé, em programa de rádio comandado pelo jornalista Alex Bagé, onde dividia a bancada com o Renato Araújo e outros convidados. Novas aulas sobre o assunto. Tudo sempre com muita paciência e disposição do professor.
           Mais adiante, convidou-me a acompanhar suas ações e do CETE - grupo montado para discutir e estudar Carnaval. O famoso CETE - Centro de Estudos de Temas Enredos, cuja composição era de artistas populares, pesquisadores, carnavalescos, anônimos e simpatizantes do samba e do Carnaval. 
SEMPRE fui acolhido pelo Sérgio Peixoto e por seus parceiros de estudos com muitas honrarias. Quero acreditar que foi pela simpatia das pessoas, mas principalmente por ter sido apresentado pela "cabeça mestre" do grupo.
          Falar do Varal do samba, mostra e exposição de camisetas de Escolas de Samba de Porto Alegre e do Brasil, assim como, as ousadas ações que envolviam diferentes religiões e pessoas como o CETE propôs nas Igrejas das Dores e no ano seguinte na do Rosário certamente necessitaria mais algumas "meia dúzia" de postagens.Todas as experiências sempre foram muito gratificantes.
         Ao conseguir a classificação de dois trabalhos em Concurso Cultural da Fundação Edison Carneiro, do RJ pude compartilhar a mesma honraria que meus parceiros do CETE. Eu não consegui as primeiras colocações, mas ser indicado ao lado de trabalhos como o desenvolvido pelo CETE foi gratificante.
        Ouvir o Sérgio Peixoto falar sobre as antigas agremiações e carnavalescos do passado também era muito esclarecedor e empolgante. Uma garrafa de café e dois pacotes de biscoito era pouco para ilustrar o papo.
      Por fim, registro nosso último contato breve nas escadarias da Igreja das Dores, quando conversava e aprendia um pouco mais sobre Porto Alegre com o também artista plástico e profissional das artes populares Guaraci Feijó, ao passar por mim, com os olhos marejados de emoção, o querido Sérgio Peixoto, me abraçou, dizendo "MUITO OBRIGADO, por estar aqui também". Ouvir um comentário de alguém que se mostrava incansável em agregar coisas populares com as acadêmicas, de tantos serviços prestados à Porto Alegre batalhando pela Cultura Popular é uma medalha dourada. 
          Siga em paz, meu amigo...Se encontrares o seu Vicente Rao e tantos outros que marcaram seus espaços no mundo carnavalesco e sambista, diga a ELES sem timidez que, tu SEMPRE BUSCOU ETERNIZAR A MEMÓRIA DELES.
A Cultura popular e o Carnaval de Porto Alegre um pouco mais triste. E eu também!!!  

Edinho silva

19 de dez de 2016

Metade do caminho percorrido - meus 50 anos



            Posentão...

           Ao completar 50 anos, no dia de hoje, 19.12.2016 não poderia deixar de registrar alguma postagem sobre a data. "Bora lá"...
           Sempre que ouvia que a média de expectativa de brasileiros chegaria entre 67 ou 68 anos de vida. A Medicina foi evoluindo, as pesquisas voltadas para a alimentação e outras coisitas colaboraram para mudanças nestas verdades anunciadas. Particularmente, confesso que, a "coisa" para meu lado ganhou um ritmo acelerado. Aliás, para quem não chegou, né! Atingir a marca de 50 anos com muitas coisas positivas a agradecer é bastante positivo. 
            Meus queridos pais, o seu BAIXINHO e a dona CARMINHA, não conseguiram acompanhar meu novo momento de vida. Partiram desse Plano um pouco depois de completarem os seus 50 anos. Não conheceram meu bigode, nem meus tres digitos na balança, não conviveram com minha nova familia, não conseguiram acompanhar algumas conquistas pessoais, não conheceram o bisneto Ricardinho (o garotão da foto) e nem souberam da existência do Armazém do seu Brasil (meu blog de agregar pessoas). Coisas da vida...o Criador sabe o que faz. Como alcanço ELES! Sendo EDINHO SILVA - Edinho de Edison Baixinho e SILVA, da dona Carminha. Busco carregar por onde passo e compartilhar sempre que é permitido os muitos valores que foram transferidos. Espalho só as virtudes!! Sim. E os defeitos! Seguem juntos, pois afinal não conheça ninguém que não os tenha. SOMOS o tempo inteiro, metade anjo e metade demonio. Devemos estar alertas para definir qual dos dois precisam ser alimentados para não machucar seus semelhantes. A autencidade no trato e originalidade, possivelmente sejam ferramentas fundamentais para o exito.
           Voltamos à trajetória do Cinquentenário. Procurei ao longo deste tempo, aprender todas as coisas que me ensinaram e sempre que pude repassei meu conhecimento. Ouvi um dia frases como, "trabalhar enobrece" e "Deus ajuda a quem cedo madruga", embora reconheça que o melhor foi ter aprendido que NÃO PRECISAMOS TRABALHAR À EXAUSTÃO para sermos nobres, mas sim brigarmos por oportunidades iguais (ou justas, né!!) e por direitos conquistados. Em relação ao "madrugador" pude perceber que um dos grandes males da Humanidade é a intolerancia religiosa. Nem o CRIADOR, nem OXALÁ, nem o Buda, nem Alah, nem Gandi, nem a Biblia do Malafaia (SQN) seriam tão crúeis para não ajudar quem trabalha a qualquer hora do dia. REFLETIR sobre as coisas é o ouro. OBSERVAR A VIDA e não observar, como costumamos fazer.
           Ao longo do Cinquentenário, trabalhei em dois único empregos. Isto é bom ou ruim!! Depende da ótica. Eu gostei e gosto, muito dos meus. Construi amizades, aprendi muita coisa e a qualquer hora desejada sou bem recebido nestes locais. Frequentei diferentes cursos universitários em Instituições Privadas, porém foi numa pública, na Comunidade da Restinga (IFRS|Restinga) que EU mais me identifiquei enquanto acadêmico. Falando em qualificações profissionais, ao longo dos 50 anos, consegui alguns registros. Como Técnico em Segurança do Trabalho possuo registro no Ministério do Trabalho; como Massoterapeuta tenho DIFEP há 20 anos, na FGFS também lasquei um registro por lá; na condição de radialista também possuo uma habilitação reconhecida; como avaliador de Carnaval e manifestações populares também busquei o reconhecimento. O último deles é o registro no CRA|RS (Conselho Regional de Administração) sob o número 002441, na condição de Gestor Público, Desportivo e de Lazer. Mesmo com o curriculo lattes desatualizado, assunto e certificado é que não faltam.
           E o reconhecimento público!! Não faz falta. Minha porção "narcisa" colide com minha discrição e timidez. O Armazém do seu Brasil (blog que criei para colocar na rua  minhas estórias) já foi acessado até os dias de hoje por mais de 50.000 pessoas desde 2010. Meu programa de rádio com o mesmo nome atingiu números positivos de audiencia numa rádio web.
           E a familia! Ih...mais um momento lágrima. Na companhia da mulher Patynha, das filhas Polyka, Karol, Paola, Esmeralda e do Eninho. Construimos um "caldeirão" de sentimentos, divergências, harmonias e tudo que provoque VIDA e sensações boas. Este espaço poderia servir como cenário de um comercial de margarina!! Claro que não. Lá não tem roteiro, nem cenário. Pode ter figurino, maquiagem e muitas temáticas a serem discutidas. Os "lerdos" ensinam os "acelerados" a acalmarem-se. E os "agitados" ensinam os "molezas" a se ligarem. É fácil, tudo isso!! E quem disse que as facilidades ensinam alguma coisa!!
            E vem o momento Ricardinho...Ninguém sabe ao certo qual seria o tempo de vida de cada um. Mas AGRADECER o que recebi até aqui e bem "de canto" pedir mais alguns 30 anos para acompanhar o crescimento do Alemãozinho e todos os que vierem à minha volta...Eu posso pedir em oração, né!!
        Se o pseudo presidente do Brasil, seus "parceirinhos" e suas propostas indecentes querem que EU trabalhe até os 90 anos, que seja com saúde e bom humor como o do Ricardinho Venturela Richter.

Edinho Silva

Espaço de samba! RECOMENDO Quintal TIA ACÁCIA

  • A CASA 
                O último final de semana antes do Natal de 2016 foi marcado por um circuito bem bacana que fiz por lugares onde o samba é celebrado. No sábado, no início da tarde, fui até o bairro Santo Antonio onde por muito tempo ocorreu as famosas rodas de samba do Andaraí (Samuca Guedes, Zé Oliveira, Fabio Fernandes e muitos outros). Era a churrascada de final do ano da turma de amigos.
               Depois fui ao Ipiranguinha, onde acontece todos os sábados à tarde uma swingueira mistura com samba, muita dança e pessoas animadas. Sai deste local e fui à Leopoldo Bier conferir a concentração do Bloco da Santana, do meu parceiro "Dorinho" Kleber Dorneles e da sua mulher Denise. Á noite fiquei em casa conferindo com a familia o DVD do Quintal do Zeca.
              No domingo pela manhã fui até o QUINTAL Tia Acácia, prestigiar uma iniciativa solidária da AME e do Régis Uchoa, da Rádio Saldanha. Voltei para casa para almoçar com a familia e no finalzinho da tarde, "me larguei" para o Parque da Redenção prestigiar o seu Jessé, como diria o saudoso, Adoniram. Isto mesmo, fomos curtir, mulher e filhos, uma avalanche de sambas antológicos na voz de Zeca Pagodinho.
              Coisa bem boa...o final de semana.
             Aliás, reitero e destaco as boas impressões que fiquei quando estive no QUINTAL Tia ACÁCIA. Lugar bonito, aprazível e de bom gosto. A "carta" de bebidas variada e um chopp de tomar de balde. Pelo preço e pela temperatura.  O atendimento de primeira feito pelo proprietário Alessandro. Sem "óleo de oliva" pude afirmar ao moço. Com casas como a tua, o SAMBA não agoniza e tampouco, morre. EU RECOMENDO....MUITO.
    Edinho Silva     

8 de dez de 2016

Samba na praça pública. Por que não??


       Posentão...

      No último dia 02 de dezembro de 2016, Dia Nacional do Samba, estivemos gravando a Roda de samba do Armazém do seu Brasil, na quadra dos Bambas da Orgia. Noite promissora com muitas atrações e gente bacana se divertindo.
       Além do samba entre amigos (Rogério Sete Cordas, Silvinho Xavier, Diovani de Oxalá, Naná Senna, Maria do Carmo, Nego Lom - Samba quente, Everton Rataeski, Renata Pires, Kleber Dorinho e Carlinhos Presidente) rolou uma entrevista para o Programa Nação da TVE - TV Educativa (em breve no ar para conferir).
        Na entrevista falamos de tudo um pouco: de Carnaval, de nostalgia, de gente, de samba de ontem e de hoje. Falamos ainda, na necessidade em ocupar espaços públicos com pessoas e muita cultura popular. Exatamente o que está previsto para o próximo dia 25/12, a partir das 17h acontecerá exatamente o que sonho há muito tempo. Samba ao ar livre. Em praça pública.
       Duvida disso?? Então reúne tua família e os amigos e te junta ao Puro Asthral e seus convidados para celebrar o Natal e trocar energias com muito samba legal.
            Vamo?? Eu vou...




Ricardinho - o primeiro bisneto do seu "Baixinho"




Posentão...

         Ontem, um pedaço de Porto Alegre parou...
         Era dia de final de campeonato de futebol - a febre nacional. O nosso querido Gremio Futebol Porto Alegrense disputaria a final contra a competente equipe do Atlético Mineiro, na Arena Tricolor. Jogo tenso. No primeiro jogo vencemos pelo placar de 3 x 1 e estávamos em situação favorável ao lado de nossa torcida que lotava o estádio e as ruas do Moinhos de Vento (na famosa avenida Goethe).
       Muitas famílias optaram em assistir a partida em casa, enquanto outros rumaram para Parcão. Optei em assistir a partida na companhia da Paty, comento pipocas e tomando "umas geladas". Tinha planejado um "churras" para reunir a família para torcermos coletivamente. Nosso "Gremião" não levantava uma taça importante há tanto tempo que precisávamos estar juntos para não correr riscos cardíacos. 
        A Karolzinha vestiu a camiseta tricolor mais emblemática da minha coleção e rumou com a mana "Paô" e um punhado de amigos e amigas. Aliás, a camiseta número 3, que já foi do zagueiro Luis Eduardo, nem minha é mais...Dos poucos bens patrimoniais que possuo os mais valorizados, certamente são os que simbolizam muita energia emocional.
         A camiseta original do Grêmio que a Kaká herdou é a do time principal que venceu a partida que o tricolor disputou com o Sport Recife, na primeira vez em que disputou a Copa do Brasil. Isto seria pouco?? Que nada. Foi também a última vez que estive no extinto Estádio Olímpico Monumental na companhia do "gremista MAIS LEGAL" que conheci. Estou falando do seu Edison, ou tio Baixinho como os de casa conheciam meu pai. 
          Se estivessem entre nós, estaria RADIANTE em saber que seu primeiro bisneto - o Ricardinho, da Poly e do Nelson, sorri diferente quando o Gremio entra em campo. Ficaria feliz ainda em saber que o "loiro", igualmente bem  humorado como ELE foi dormir muito tarde, FESTEJANDO como todos nós, o quinto título da Copa do Brasil.
         E se por acaso o Grêmio não vencer nos próximos 20 anos outra grande Competição?? Nem quero saber...E se o "outro" time for rebaixado?? Hum...talvez me interesse um pouco, afinal teremos partidas na cidade com equipes diferentes e jogos em dias alternados.
         O "biso" Baixinho adoraria saber que seu primeiro bisneto Ricardinho iria sacudir a mesma bandeira tricolor. TENHO CERTEZA...
 
      Edinho Silva
 
 
 

5 de dez de 2016

Dia Nacional do Samba e a entrevista para a emissora de televisão


            Posentão...

           Quando fui convidado para apresentar o Armazém do seu Brasil - uma espécie de Sarau Cultural, que mistura boas conversas, estórias individuais, amigos e muito samba bacana, em plena quadra de ensaios de Bambas da Orgia, uma das mais tradicionais Escolas de Samba de Porto Alegre senti um "frio na espinha". Achei que seria apenas este o desafio. Que nada!! O mais assustador estava por vir.
           Por intermédio de um amigo, Luis Fernando Silva, produtor artístico, fui apresentado à jornalista da TVE, Vera Cardozo - produtora do emblemático programa local intitulado "Nação". Depois de alguns contatos e a devida apresentação dos argumentos que expressavam a relevância das temáticas abordadas no blog Armazém do seu Brasil, ao tratarmos cultura popular, sambas, comportamentos, fatos históricos, entre outras coisas.  
           Numa etapa seguinte, busquei reunir amigos sambistas de Porto Alegre, de diferentes gerações, para ampliar a energia do encontro e fortalecer o compromisso de apresentar o programa e desta vez gravá-lo,sendo entrevistado pela equipe da TVE. Sinceramente, julguei que seria fácil. Que nada!! Passei o maior sufoco.
          Conforme o combinado, pontualmente, a equipe completa da TVE estava na quadra. As jornalistas Vera Cardozo (produtora do Programa) e  Fernanda Carvalho (apresentadora), na companhia dos técnicos cinegrafistas estavam no local para a execução do trabalho. Os meus convidados sambistas chegavam e iam sendo conduzidos ao espaço destinado para nossa locação de filmagem. 
           Em uma conversa preliminar, recebi algumas orientações técnicas em relação à pauta e aos assuntos a serem abordados. Confidenciei a meu fiel, escudeiro, o Rogério Pereira, o moço do violão sete cordas, que estava tenso e abalado com a responsabilidade de falar para milhares de telespectadores sobre Samba. Embora um tema que me agrada muito, estava inseguro. A apresentadora Fernanda me disse o seguinte: "Edinho, fique tranquilo. Fale naturalmente. Responda do teu jeito, apenas as duas perguntas que te farei." Respondi prontamente: "Quais as perguntas que farás!". "Coisas simples - Quando e como começou o samba em Porto Alegre e como o samba acontece atualmente!!". Questões simples, que dariam dezenas de teses de Mestrado e Doutorado. O Rogério me olhou de forma ironica como se perguntasse: "Tomou, papudo...sempre és tu que perguntas. Hoje serás sabatinado!!"  
          Quando o responsável pela gravação falou em voz alta: "Um dois, três gravandooooo!". A apresentadora Fernanda abriu a fala com um cordial boa noite e lascou a pergunta sobre o samba de ontem ...e de hoje, ouvi distante o samba na voz da Dalva de Oliveira "...Meu mundo caiu...". Minha nossa, quase não conseguia respirar de tão nervoso.
          Finalizei minha fala sem ter mencionado a nova composição de samba em nosso estado. A genialidade do nego Izolino Nascimento, as composições do Paulinho Bom Ambiente, do saudoso Paulo Sitó, do Zeca Oliveira, do Gustavo Martins, do Alexandre Rodrigues, do Carlinhos Presidente, do Fábio Canali, dos sambas enredos e de todo o trabalho desenvolvido e encabeçado pela ComporRS e os parceiros do Tubino. Esqueci de referir o Wilson Ney. Pode isso, produção!!
          Não falei sobre outra coisa que me inquieta. A fórmula utilizada pelos proprietários dos bares que "acolhem" o samba na Cidade. Alegam que o mais importante é o bar e não os músicos, por esta razão pagam pouco. Os músicos, por sua vez, entendem que são fundamentais para o sucesso dos bares. Quem perde com a tal disputa!! Todos nós. E, principalmente, o SAMBA.
           Deixei escapar a oportunidade de falar de forma mais contundente sobre o descaso do Poder Público em relação aos movimentos que envolvam a Cultura Popular. Por que Porto Alegre não promove e apóia eventos como rodas de samba nos bairros ou em espaços públicos, por exemplo!! E o Governo Estadual que nada faz para garantir a preservação de ARTE E CULTURA no RS!! Nem rádio e nem emissora de televisão para difundir a Cultura de nosso Estado. Pode isso!! Claro que não.
             Não falei também o que penso sobre a adesão dos portoalegrenses aos eventos ligados ao samba quando promovidos a nível nacional. Há alguns anos uma marca de produtos de higiene pessoal trouxe à Porto Alegre, 4 sambistas (Diogo Nogueira, Martinho da Vila, Roberta Sá e Alcione)  para homenagear o samba e arrastou milhares de pessoas ao Anfiteatro Por do Sol. Na semana seguinte, muitas das pessoas que assistiram o espetáculo "engrossavam" o coro junto às autoridades para coibir duas ou tres rodas de samba, populares em bairros diferentes. Discussão para outros tantos programas. 
           Finalizando, deixo meu registro, minha gratidão e agradecimento ao pessoal da TVE e aos meus amigos sambistas que compareceram para abrilhantar e ENERGIZAR com seus instrumentos e seus cantos, mais uma edição do Armazém do seu Brasil. 
          Que o SAMBA possa completar mais 100 anos e que a TV Educativa-FM Cultura possa adentrar nossas casas por igual período.
          OBRIGADO, Manoel Jeronimo (nego Lom do Samba Quente), Rogério Pereira (Dedo Sete Cordas), Maria do Carmo (uma das Dandaras do samba da Cidade), Silvinho Xavier (cavaquinista dos bons), o "Dorinho"" Kleber Dornelles, a jovem e talentosa Renata Pires, o "incendiário do bem" Everton (Fogo na caixa d´agua), o irreverente sambista do povo, Carlinhos Presidente, a Naná Senna e o Diovani, acompanhados por suas ferramentas percussivas. Toda esta aura de gente legal impediu  que algo pior ocorresse comigo, diante de meu estado emocional. Juro é a pura verdade.

                 Edinho Silva   

Em tempo: "O show tem que continuar...", né mesmo!!

2 de dez de 2016

"Samba...a gente não perde o prazer de cantar..."




          Posentão...

         Tem letra de samba que pede respeito, outras resistência, algumas falam de amor e de traição. Alguns te um apelo social. Alguns são apresentadas com muita percussão, outras nem tanto. Alguns sambas chegam através de vozes afinadas, outros nem tanto. Mas enfim...onde tem samba a ENERGIA tá garantida.
         Como simpatizante, pesquisador e "operário" deste ritmo tão legal que é o tal SAMBA só posso agradecer as emoções obtidas por tal canto. As boas lembranças na companhia de meus queridos pais, com a trilha sonora de Roberto Ribeiro, Fundo de Quintal, Beth Carvalho, Jamelão e outros tantos. Celebrar as pessoas que conheci bem pertinho deste ritmo. A existência do meu blog e do meu programa de rádio. As amizades que fiz ao longo dos meus 50 anos. O nego Lom com seu Samba Quente, o Carlos Volnei Neves, inspiração de um dos personagens, o Rodrigo Bronquinha, outro doido que curte um sambinha, o Luis Fernando Campeão Silva, produtor artístico que abastece meu acervo de informações e cds, o Samuka Guedes, responsável pela "belezura" que é o meu blog (a customização é da STA - agencia de publicidade), o Zé Oliveira pelo carinho de sempre e demonstração de generosidade e empatia, quando o assunto é fazer parte de uma roda de samba, ao professor Fernando Saraiva (padrinho do Armazém), ao Rogério Sete Cordas, que leva seu "pinho" pra cima e pra baixo, sempre que peço, aos meus familiares que compartilham os discos e emoções da família ao som de um bom samba. É tanta gente...que acabarei esquecendo de alguns importantes.
         Para que não cometa nenhum tropeço, vamos cantar juntos, um samba bacana do Carlinhos Presidente e suas "Poesias ao chão".
Concorda?? Serenidade, energia e muito SAMBA para todos.

https://www.youtube.com/watch?v=ONkfd-FTkx8


1 de dez de 2016

Fogo alto no carro de Bombeiros, é isso meu caro, Everton??

           

 
 
 
 
 
 
           
           A primeira vez que ouvi a expressão: "Vamos colocar fogo na caixa d'água!" achei algo um pouco esquisito. Não acham?? Pois, estava completamente enganado. O autor da frase é o intérprete de samba enredo e sambista Everton Rataescki.
            Sujeito boa praça, amigo dos amigos, agregador e solidário com as pessoas. ´Sua iniciação musical foi aos 14 anos tocando em banda marcial. Cinco anos mais tarde, já com 19 anos enveredou para o samba e swing. Ao som de muito Bebeto, Branca di Neve, Fundo de Quintal, Almir Guineto  e  muitos outros participou da criação de uma banda chamada "Só Brasil". O resultado disso foi um cd gravado pela gravadora Raizes, de Porto Alegre.
             Mas era só em Porto Alegre, que o cara "incendiava a caixa d'água"?? Não. O "homi" sempre gostou de praia e mar. Em 1995 desembarcou em Arroio do sal, onde acontece o maior carnaval do litoral gaúcho. Cantando, por quase onze anos, participou de duas escolas de samba "Saímos Sem Querê" e "Gigantes Da Orla". Resultado disso? Sete campeonatos e seis estandartes de ouro, como melhor intérprete e melhor harmonia. Em 1997, retomando as "tarefas em Porto Alegre" assumiu o microfone por 10 anos do Grupo Musical Movimento.
             Em 2011, a responsabilidade aumentou com a estréia no Carnaval de rua de Porto Alegre com a ida para o Estado Maior Da Restinga, compor o grupo de harmonia ao lado do grande Wander Pires.  Em 2013, migrou a convite do intérprete Alexandre Belo e foi parar na "toca dos leões" da Zona Norte, onde permanece, desta vez como intérprete principal da Império da Zona Norte.
  
 
             Duvida do tal "fogo na caixa d´agua?". Eu não!!
 
                             Edinho Silva 

 
 
 
 


 
 
           


 
 
 
 


 
 

 

Deborah Rosa - Uma conversa com os orixás e com a cultura popular

 

             Outro dia, fui até a Cia de arte visitar os amigos, Vicente e Fabiano, e buscar informações sobre as produções culturais que rolavam em Porto Alegre. Semanalmente, faço isso. Percorro os espaços culturais em busca de informações e dicas sobre novos Projetos, shows, artistas, entre outras coisas.
             Ambos, me apresentaram um flyer de um show de uma artista natural de Santa Maria, a sambista, cantora e intérprete, Deborah Rosa reconhecida pelo seu talento, que se apresentaria no bar da Cia de Arte.
              Filha de uma família de artistas, avô materno compositor, pai seresteiro, mãe Artista Plástica e irmão guitarrista, Deborah Rosa. Bacharel em Comunicação Social, Relações Públicas pela Universidade Federal de Santa Maria, desenvolveu atividades no cenário Cultural, junto a TV Campus/UFSM, a Associação dos Artista Plásticos, assessorou Músicos e foi Gerente de Marketing do primeiro Shopping de Santa Maria.
             O tempo passou e lá se vão 20 anos do seu envolvimento com a música e projetos ligados a esse universo particular e cheio de sonoridades. As reuniões dos colegas da faculdade de comunicação, com as cantorias ainda tímidas, deram lugar aos primeiros desafios. Participou, com destaque, no show da Big Banda Hightime Blues 1998.
              Com um repertório temático que abordava sambas clássicos e autorais percorreu e homenageou orixás, com seu show intitulado Samba & Sarava. Interagindo com o público atuante na tarde de samba de puro brilho e energia. Em verdadeiras inovações ao tocar e tocar batuques com as bases de um contrabaixo, um violão e uma bateria. E os tambores e atabaques não estavam presentes?? A proposta da artista era inovadora até neste sentido. E assim pude conhecer mais uma artista gaúcha de talento internacional.
               E que sob a luz de Oxalá a cantora possa oferecer muitas energias em 2017, por onde passar.
                                 Edinho Silva



fonte: https://deborahrosa.wordpress.com/2016/09/01/samba-e-sarava/
 

23 de nov de 2016

Dia nacional do Samba?? Tem que ser todo dia, ora bolas...



            Posentão...

            Para compartilhar vivências sobre samba não precisa muita coisa. Alguns instrumentos, umas geladas, resenhas sem limites, alguns "canários" e "canárias", alto astral e bom humor. E se tudo isso acontecer no meio de uma Escola de Samba?? E se for na abertura de uma festança que promete muita coisa legal em comemoração ao Centenário do Samba?? E se for no Dia Nacional do Samba??  E se reunir "gente" do samba de ontem e de hoje de Porto Alegre?? E se tiver roda de samba contemporânea e a Velha Guarda da Bateria dos Bambas da Orgia ao final da função??E o que tá faltando para esta festa - SAMBA PORTO ALEGRE ser uma noite inesquecível?? Tua presença. Bem simples. 
           Estaremos "abrindo" os trabalhos do dia, das 20h às 21h30min, com a função do Armazém do seu Brasil - uma mistura de bate papo, roda de samba, convidados ilustres e a energia toda no ar...que muita gente já conhece, seja do blog armazemdoseubrasil.blogspot.com ou do programa de rádio - todos os domingos, das 13h às 15h, no www.radioestacaoweb.com
          Logo a seguir, chega o Pagode da Nena, a RODA DE SAMBA com Guinter Vieira, Michael Sampaio, Carlinhos Presidente e muito mais.
          Na saideira, sob o comando da batuta do Mestre Nilton Deoclides, o show memorável da Velha Guarda da Bateria dos Bambas da Orgia.
         Faltou alguma coisa?? Sim. Café da manhã e caldinho de feijão. Então não falta mais nada....Isto também tá garantido.
          Então reúne tua turma, tua família, o pessoal do amigo oculto do Natal, os "guris" da firma, as gurias da Academia e te joga no samba. Quero te ver por lá...Chega cedo para aparecer nas filmagens, fechado??
 
Afinal, devemos celebrar o SAMBA nosso de cada dia.
 
Presenças ilustres no Armazém (confirmadíssimas): No regional "Os BRASILEIROS" - Rogério Sete Cordas (violão), Silvio Xavier (cavaco), Fábio Ananias (pandeiro e voz)
Participações especiais: Alex Bagé, Maria do Carmo Carneiro, Carlinhos Presidente e Renata Pires e muitos outros que estarão confirmando nos próximos dias.

No bolso errado não vale...





               A estória que  o Carlito Trovão me contou é sobre um amigo sambista, o paranaense Joãozinho Governador. Cavaquinista dos bons, embora nunca tenha pisado em solo gaúcho, mantém boas relações de amizade por estas bandas.
              Com parentes no RJ, mais precisamente na Ilha do Governador, o namorado da "Guta", adotou o apelido e o chiado carioca. Segundo ELE vende melhor os shows se o sujeito chegar "chiando". E quem cuida de sua carreira profissional?? A Guta, sua mulher. Profissional liberal da comunicação, assessora de imprensa e agente da carreira do moço possui muitas qualidades e alguns pequenos defeitos. Entre estes, o pavio curto com distrações. O maior pecado do nosso sambista.
              Outro dia, o cara iria participar de um grande evento de boa repercussão. Uma grande oportunidade de visibilidade gratuita, pois teria cobertura de rádio e tv. Antes de sair de casa, rumo ao evento, a empresária Guta alcançou ao artista um papel com toda a agenda do Joãozinho Governador para que ELE anunciasse, em rede nacional, sua agenda e falasse sobre seus apoiadores. O sambista agradeceu a preocupação e colocou o papel dobrado no bolso traseiro da calça.
              O evento, lotado de pessoas, de fato tinha ampla cobertura jornalística. No exato momento em que o sambista foi chamado para apresentar sua música de trabalho, sua sempre atenta empresária e namorada, fazia sinais desesperados para que ELE não deixasse escapar a chance de falar ao microfone para milhares de pessoas, no local e em casa, seus futuros compromissos e uma "massageada" nos apoiadores. O moço devolveu o sinal com a cabeça, dizendo que estava tudo dominado.
             No exato momento em que apanhou o papel no bolso, depois de anunciar no microfone que todo conheceriam sua agenda de shows, sua expressão no rosto foi mudando e um sorriso amarelo foi tomando conta. Sim. Não era o papel dos compromissos profissionais. Como o artista havia trocado de calça, o texto do bilhete tinha escritos completamente diferente ao momento. E o que trazia?? "Não esquece de trazer: 2 litros de leite, meia dúzia de ovos, 1 pacote de massa, algumas bananas, o alface e cebolas para o molho". Putz!! o cara foi para o evento com a lista da Mercearia no bolso...
             Questionado sobre como poderia esquecer de algo tão importante, limitou-se a responder: "É muita informação...muito amendoins na cabeça".

Se cantando espantamos os males, imagine SAMBANDO, né Chris Rafa??



                                                  Chris Rafa e Nick Rodrigues -acervo pessoal

            Confesso que, conheci ainda menino, o filho da dona Regina e do Beto. Menino tímido, mas ao mesmo tempo curioso e inquieto. Sempre que visitava o local de trabalho de seu pai, ficava por um longo tempo ouvindo sambas no computador da Repartição. De tempos em tempos perguntava a seu pai, por onde andava o "Rafa" - o caçulinha, irmão mais novo do Anderson e da Kely?? O Betinho respondia de pronto: "Hoje pela manhã ficou em casa. Na tarde ia para a Escola e no tempo livre sempre procurava alguma coisa para fazer.

           Sua paixão pelo Gremio desde muito cedo contrastava com o "coloradismo" de seu pai. Entretanto o interesse pelo Samba e pelo Carnaval mantinha a familia unida. De seus irmão não soube muitas coisas, porém do pequeno Rafael - o primeiro dos filhos que conheci - recebia noticias de todos os lados. Por trabalharmos próximos, acompanhava os diálogos telefonicos de seu pai com o pequeno Rafa. Religiosamente, todas as manhãs isso acontecia. Curioso, sempre buscava saber o que fazia o flho do meu amigo. A resposta era sempre a mesma: "Pô, Edinho...o Rafa faz tudo. Quer se meter em tudo que vê pela frente." Seu irmão mais velho, o Anderson já trilhava sua caminhada no "campo da percussão" e tocava muitos instrumentos. E o que o caçula fazia?? Seguia e acompanhava tudo a uma distância curta. Passou a batucar e tocar todos os instrumentos que caia na sua frente. E assim foi lapidando-se mais um artista da Cultura Popular de Canoas e do RS. Não deixava escapar nada. Era encontros da Igreja do bairro, era ensaio da Escola de Samba do bairro, era o baile e a quermesse da escola, os ensaios do grupo de samba da familia. Não tinha paradeiro, mesmo.
           O moço foi crescendo, amadurecendo e iniciando sua trajetória no mundo do Carnaval. Em 2003, Chris Rafa como é conhecido no meio carnavalesco foi convidado para ser passista mirim na entidade canoense Acadêmicos de Niterói. Em 2008, já era o 3° passista da Escola. No Carnaval de 2013 assumiu o posto de 1° passista. Em 2015, trocou de entidade e desfilou na Protegidos da Princesa Isabel, de Novo Hamburgo no posto de 1° passista. Em 2016, migrou para Porto Alegre e desfilou como 3° passista no Bambas da Orgia, recebendo boas dicas do competente e premiado passista Adilson - primeiro passista da Escola.
           Participando como co-fundador do Projeto Social de Dança "Eu sou o samba", atualmente atua como monitor do Projeto e prepara-se para realizar um grande desfile no Carnaval 2017 ao lado da jovem e talentosa passista Gabriela Barbosa, na condição de 3o. passista da Imperatriz Dona Leopoldina, de Porto Alegre. 
            Não falei que o "cara" fazia uma pilha de coisas??
                                         Fabricio Lemos, Nick Rodrigues e Chris Rafa

           No dia 24/11/2016, no Ateliê 1, o Chris Rafa na companhia da passista Nicole "Nick" Rodrigues, monitora do Projeto Social "Eu sou o samba" estará conversando e apresentando uma performance aos convidados do Sarau do seu Brasil.      

           Um pouco mais sobre a Nick, a primeira passista da Imperatriz dona Leopoldina em 2017: 
            Começou sua trajetória carnavalesca em 2006, desfilando pela extinta Real Academia como rainha mirim. No ano seguinte, foi rainha mirim da entidade Embaixadores do Ritmo. No carnaval de 2009, foi convidada para ser passista mirim de Bambas da Orgia, onde se manteve na escola até o Carnaval de 2016, sendo 3° passista da escola desde 2013.
            Através do aperfeiçoamento de sua dança foi reconhecida ao lado do passista Fabricio Lemos (1o. passista da Imperatriz e monitor do Projeto Social "Eu sou o samba") como uma das novas revelações do Carnaval de Porto Alegre.














































21 de nov de 2016

Armazem do seu Brasil num espaço de arte - Atelie 1



            No próximo dia 24/11/2016, quinta-feira, a partir das 19h30min, no espaço de Arte e Cultura, conhecido como Atelie 1 (Senhor dos Passos, 259, sala 61, Centro Histórico de Porto Alegre) estaremos apresentando o Sarau do seu Brasil - uma roda de conversas com sambistas, compositores, arranjadores, profissionais do mundo do Samba e do Carnaval da Cidade. ARMAZÉM DO SEU BRASIL

            O Armazém do seu Brasil - o blog cultural - armazemdoseubrasil.blogspot - que completa 6 anos de existência no ano em que celebramos o centenário do samba propõe uma programação com muita interatividade, energia, provocações reflexivas e "coisas verde e amarelas". Tudo isso nos espaços de cultura e arte do Atelie 1. 

            O espaço escolhido - Atelie 1, não poderia ser mais apropriado. Muita arte, pintura, fotografia, argila, gente bacana, grafite, costura, tapeçaria, esculturas, entre outras coisas. E assim com estórias, suas obras autorais, clássicos de sambas de todos os tempos num momento em que, nosso País clama de boas energias e momentos de leveza e arte preparamos nosso Sarau com cara de Brasil.

         O compositor e sambista Carlinhos Presidente - o sambista do povo" comandará a roda de samba, apresentando um pouco da sua biografia e trajetória. E os bailados? Ficam por conta do Chris Rafa e da galera do Projeto Social e Cultural "Eu sou o samba"
Vai ficar de fora??


O Ateliê Um acredita no livre acesso à cultura, por isso, a entrada é franca

Serviço:

Sarau do seu Brasil
Dia 24/11/2016 - quinta-feira - a partir das 19h30min
Local: Atelie 1 - rua Senhor dos Passos, 259 - sala 61 - Centro Histórico
Investimento cultural: Nenhum. Ingresso a 0800. (doação de um livro opcional)
Serviço de bar disponível no local

18 de nov de 2016

As coisas do povo são sérias, meu senhor!!!




           Posentão...

            Não bastasse a avalanche de "surpresinhas" propostas pelos Governos Federais, Estaduais e Municipais, denúncias de corrupção por todos os lados, violência urbanas crescente nas cidades, salários parcelados, "transgressões constitucionais" em nome da SALVAÇÃO dos tempos. UFA!!! Nem sei por onde começar a espernear...Ou melhor, acredito que já sei...Começarei por um registro no instrumento legítimo que foi criado para divertir e compartilhar sentimentos acerca de CULTURA POPULAR, ARTE e GENTE. To falando do Armazém do seu Brasil - meu blog e meu programa de rádio (www.radioestacaoweb.com, todos os domingos, das 13h às 15h).
          Sr. Governador do RS, lendo um jornal de circulação local fiquei sabendo que "...integrantes do núcleo do Executivo trabalham nos detalhes dos projetos que integram o pacote que será enviado à Assembleia Legislativa na próxima terça-feira, 21/11. Uma das análises é sobre as mudanças que necessitam obrigatoriamente do aval do plenário do Legislativo e as que poderão ser implementadas por meio de decretos do governador José Ivo Sartori." Putz!! O que fazer?? Sei lá...EU irei buscar e divulgar os abaixos-assinados, identificar os deputados e enviar mensagens, buscar grupos organizados e movimentos sociais, enfim ESPERNEAR.
          O texto do jornal informa ainda que "...Cercado por sigilo, o pacote será o mais amplo e profundo já discutido na história do Rio Grande do Sul e internamente está sendo chamado de “refundação”, sendo batizado de “Um novo Estado, um novo futuro”. As propostas, se aprovadas, irão atingir todos os setores. O próprio Executivo, com a extinção e fusão de três a cinco secretarias e de órgãos da administração indireta. Secretarias como Planejamento, Obras, e Turismo estão na mira.    
          Entre as extinções dadas como certas estão as da FDRH, Corag e TVE, consideradas desnecessárias à prestação de serviços à população."DESNECESSÁRIAS, meus senhores??? Não sabem do que falam...EU já ando um pouco incomodado com Deputados Federais que querem votar a PEC 241 com duração de 20 anos, quando ELES mesmo não sabem se voltarão daqui há dois quando houver novas eleições. Agora o Governador que "não parcela geral os salários - só de alguns" e os deputados estaduais aliados desejam ACABAR com os órgãos de Pesquisas Internacionais (Fundação Zoobotânica), com a responsável pela qualificação profissional dos servidores estaduais (FDRH) e a querida TVE - a emissora que mantém rádio e TV divulgando nossos artistas e nossa Cultura.
           Se a proposta é privatizar, vender imóveis, equipamentos?? POR FAVOR, não NEGOCIEM HISTÓRIAS, SONHOS e as VIDAS das pessoas.
Como diziam os Titãs..."A gente não quer só comida...". Diversão, cultura e arte também me pertencem.

Edinho Silva
Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/Politica/2016/11/603246/Governo-do-Rio-Grande-do-Sul-prepara-pacote-para-refundar-o-Estado

28 de out de 2016

Não é conto de fadas!! A LINDA CINDERELA voltou....

Pagode do Dorinho – o  som tri legal do Sul celebrando 3 décadas de sucessos 

No início dos anos 80, nascia sob a sombra de frondosas árvores do bairro Santana, um animado grupo de samba, formado por jovens sambistas oriundos da bateria da Escola de Samba Acadêmicos da Orgia. A concentração se dava defronte à casa do “seu Dorinho”(morador do bairro e tio de um dos músicos formadores do grupo). E quem não dançou ao som de Alagados, do Herbert Vianna? Ou Guitarreiro, de Luis Vagner? Ou então, Minha “linda cinderela”? Havia alguma fórmula mágica? Não. O que havia de fato era a identidade dos “novos arranjos”, ritmos e a forma peculiar dos “Dorinhos” apresentarem seu som.
            A “função verde amarela” ,  de muito samba-rock, axé, romântico, reggae, raiz e swing, produzida pelo Pagode do Dorinho foi tão marcante nas três últimas décadas no cenário musical do RS que, o produtor artísitico Luis Fernando Silva (Produtora Reversos) e seus parceiros apostaram neste novo trabalho a ser gravado ao vivo, num dos melhores espaços de shows que Porto Alegre possui – o Bar Opinião.
O que falar mais sobre isso? Nem me atreveria. Faça como eu. Arregaça as mangas e vem para o baile...afinal, a LINDA CINDERELA está de volta!!!


Edinho Silva – radialista e blogueiro (armazemdoseubrasil.blogspot.com)

19 de out de 2016

Longevidade do samba - Sambas da atualidade


  • Quando o grande e iluminado Candeia, em seu samba “Testamento de partideiro” anunciava que “... o sambista não precisa ser membro da academia...e sim ser natural com sua poesia e o povo lhe faz imortal” não havia exageros. Com toda razão afirmava o que as diferentes rodas de samba pelo Brasil anunciavam. Pra sambar é preciso ter alma, colocar o coração a serviço do gingado e da poesia.
  • Com o Carlinhos Presidente, compositor e sambista, a experiência não foi diferente. Ainda na adolescência, costumava reunir os amigos na laje da casa de seus pais, no Jardim Botânico, tradicional bairro em Porto Alegre, para animadas rodas de samba que varavam as madrugadas. Inicialmente, menino costumava ouvir na companhia dos adultos de sua casa os discos de vinil de sambistas consagrados como Jamelão, Noite Ilustrada, Beth Carvalho, Clementina de Jesus, Cartola, João Nogueira e outros tantos.
  • Em meio ao convívio e aprendizado com sambistas mais experientes, Carlinhos Presidente foi aproximando-se do pandeiro, apresentado por um amigo e  conhecendo uma outra forma de “respirar samba”. E bebendo direto da fonte  foi se moldando na direção de um sambista popular que sonhava ser um dia. Assim com novos desafios, diferentes pesquisas e um aprofundamento nos variados estilos de samba o ousado sambista foi conquistando seu espaço. Um dia no partido alto, outro no samba de terreiro. Em outros momentos, no samba dolente, no de raiz, alternando sambas irreverentes com composições de cunho social, o sambista com sua voz diferenciada, seu bom humor e seu timbre peculiar foi percorrendo diferentes rodas de samba pelo Brasil afora. Convicto de que estando cercado de pessoas de diferentes espaços, com cara e jeito brasileiro, com a energia do samba pairando no ar não demoraria a aproximar-se cada vez mais do ritmo do povo.
  • Caminhávamos por uma famosa rua de Porto Alegre, em meio a conversas sobre o cenário nacional do samba, quando seu telefone tocou. Era uma ligação direta do Rio de Janeiro. Do outro lado da linha era ninguém menos do que o produtor e arranjador carioca Milton Manhaes que, anunciava e confirmava o "time de grife" que acompanharia seu novo trabalho. O Carlinhos Presidente me perguntou: "Edinho, tu conheces o trabalho do cavaquinhista Márcio Hulk? Beloba e Marquinhos Diniz (filho do Monarco e irmão do Mauro)? Do Ivan Paulo, famoso arranjador brasileiro?  E do Adilson Ribeiro e do Renato Santos (Renato da Rocinha)? Todos "monstros". Respondi "na lata".
  • Pois, foi com este time de  "números baixos" e mais alguns virtuosos sambistas do Centro do País que, nasceu o mais recente trabalho que tem o título "Sambista do povo". Quer conhecer o resultado e dar um abraço no "Presidente"?
  • Apareça no Teatro do Sesc - no Centro de Porto Alegre, no dia 12/11/2016, sábado. A função tem acesso liberado e limitado (senhas distribuídas uma hora antes do espetáculo) e será apresentado em dois momentos: o primeiro às 17h30min e o outro às 20h.
  • Queria ir nos dois, mas como sou simpático ao compartilhamento de saberes, música e arte IREI no primeiro para garantir lugar na fila.
  • Como dizia Candeia: “...Quem rezar por mim que o faça sambando, na paz do Senhor...” e deverá ser desta maneira que, o samba do Carlinhos Presidente - o sambista do povo -  ecoará nos pagodes e nas rodas.
    • Vida longa, ao samba do Presidente!
  •                            Edinho Silvaradialista, blogueiro(armazemdoseubrasil.blogspot.com) e pesquisador de cultura popular

12 de set de 2016

Quem canta; seus males espanta...né mesmo, Jamelão??

                            imagem extraída de http://www.sambariocarnaval.com/index.php?sambando=rixxa24

                A máxima "Quem canta, seus males espanta..." é prá lá de verdadeira. Funciona mesmo. Tenho amigos que cantam em corais, no chuveiro, nos palcos, nas praças, em rodas de samba, em cultos, karaokês, pelo mundo afora.
                Começo a postagem falando em cantoria por que, meu parceiro Zeca do Surdo me fez uma pergunta e EU soube responder. Por favor, me socorram: "Por que os principais intérpretes das escolas de Samba de Porto Alegre participam dos festivais de samba enredos das concorrentes?? Tentei argumentar dizendo o que ouvi outro dia de um amigo carnavalesco próximo à realidade há muito tempo. Respondi: "Meu amigo Zeca - segundo, ouvi dizer quando isto ocorre os intérpretes acabam realizando um intercâmbio". Ou seja, quando o principal da Restinga, da Imperatriz e dos Imperadores cantam no Festival dos Bambas todos ganham. A Comunidade azul e branco, o público e os sambas que são interpretados por verdadeiros coletivos de puxadores - respondi. O cara me devolveu a indagação: "E se o principal da Escola B, estiver na Comissão Julgadora e tiver que escolher entre outros dois bons, ou quem sabe melhores que ELE próprio??" Respondi, sem pensar muito: "Quem vence é a Comunidade da Escola que ouvirá seu samba enredo para o ano seguinte interpretado por um grupo formado, em alguns casos, pelos melhores." E o Zeca do Surdo, sempre polêmico, me devolveu: "Mesmo que, o que estava escolhendo não esteja entre os melhores??"
             Putz...estava difícil a conversa, que começou descontraída. Estava me complicando nas respostas. O Zeca insistia: "Edinho, você consegue imaginar um puxador que beija o estandarte de uma escola vermelho e branco durante todo o ano e no Festival de Samba enredo, começar o samba cantando...Alô, minha AZUL e BRANCO do coração...Agora quero ouvir, meu povo cantando junto comigo...". Putz!! Enrolei os pés para responder.
              Já tentando desviar o assunto, pedi mais uma cerveja, quando o cara "socou" mais uma indagação: "E os novos intérpretes, quando terão a chance de mostrar sua técnica?? Os mais antigos e tradicionais intérpretes não abrem espaços...Estou errado, mermão??" perguntou com seu carioques cheio de chiados. Segundo ELE, aparentemente TODOS estão felizes, mas na real os novos não entram e os melhores não se preservam como "cereja do bolo".
              Buscando encaminhar a discussão para outras reflexões, perguntei: "Tá bom ZECA, tu és sabido, né?? Responda rápido - Como proceder nos casos em que, os presidentes e suas diretorias manterem seus desejos de ter os melhores puxadores das escolas concorrentes nos seus festivais??". O carioca, sem pensar muito, devolveu na lata: "Bem simples, gaúcho. Paga cache para os caras apresentar um show de sambas enredos...momentos antes de serem anunciados os vencedores e IMPEDE que participem do Festival. Por exemplo, no Festival de Samba Enredo da Escola da Restinga, o show da final seria de algum outro intérprete de uma outra escola. Na casa dos Bambas, cantam no show principal a harmonia da Imperatriz. E assim por diante. Estrela no lugar de estrela."
             Mesmo não sendo carnavalesco e respeitando todas as ações que envolvam a Cultura Popular confesso, que meu amigo provocou reflexões sobre o tema. Afinal, "os melhores ocupariam um espaço de reconhecimento, sem as disputas silencionsas e os novatos ganhariam oportunidades de serem conhecidos.
              Posentão...com a palavra, "quem milita no meio..."!!!

Edinho Silva








'

5 de set de 2016

Suicidio é brinquedo?? Claro que não. Vamos "amarelar" a vida...




       Embora o tema não seja abordado com a importância que merece, o suicídio pode ser considerado como um grande problema a ser enfrentado. O mundo contemporâneo, suas relações, suas tecnologias, o comportamento humano, suas doenças (embora antigas, porém cada vez mais modernas), entre elas, a depressão podem representar uma das muitas causas deste mal.
        A depressão conceituada como um distúrbio afetivo que acompanha a Humanidade ao longo de sua história, apresenta no sentido patológico, uma presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima frequente, entre outras coisas, aponta uma necessidade extrema de acompanhamento tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.
       Em relação ao índice de suicídios, o Brasil apresenta dados preocupantes. Embora ocupe o décimo segundo lugar na lista de países latino-americanos com mais mortes neste segmento, um dado alarmante aponta uma incidência significativa na faixa dos 15 a 29 anos. Verifica-se um número de 6,9 casos para cada 100 mil habitantes.     Outro dado alarmante é a alta incidência de mortes entre as mulheres. Segundo,  Alexandra Fleischmann, especialista da OMS e pesquisadora do tema, "Para a faixa etária de 15 a 29 anos, apenas acidentes de trânsito matam mais. E se você analisar as diferenças de gênero, o suicídio é a causa primária de mortes para mulheres neste grupo". De acordo com a OMS, 800 mil pessoas cometem suicídio todos os anos. E para cada caso fatal há pelo menos outras 20 tentativas fracassadas.
         O isolamento, depressão e rejeição entre as pessoas é considerado ingredientes básicos que "podem empurrar" os indivíduos para ações mais drásticas em relação à vida. Sentir-se rejeitado é algo doloroso e difícil de aceitar, mas mais comum do que imaginamos.  Muitas vezes, para não sermos rejeitados, traímos a nós mesmos. Fazemos determinadas coisas para conseguirmos a aceitação dos demais, quando por dentro queríamos agir de forma totalmente diferente.
         No Brasil, o CVV — Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo em 1962, reúne grupos de voluntários espalhados pelo País que presta serviço gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. Por que sei ou me interesso por estas questões?? Simples. O assunto é sério demais e requer um esforço coletivo de combate e esclarecimento. Acrescento que, na minha casa, mora uma pesquisadora, acadêmica de Psicologia e estudiosa do assunto com trabalhos publicados sobre o tema.
         No mês de setembro acontece a Campanha Nacional de Prevenção ao Suícidio - Setembro amarelo. Vamos amarelar o Brasil e colaborar da forma que podemos??
          Eu vou....
 

Em tempo: Como chegar no CVV??  Esses contatos são feitos pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos 72 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br via chat, VoIP (Skype) e e-mail. Em Porto Alegre, iniciamos o atendimento pelo telefone 188, primeiro número sem custo de ligação para prevenção do suicídio que, neste primeiro momento só funciona no estado do Rio Grande do Sul, onde o 188 é operado pelo CVV em fase de teste para ampliação a todo território nacional.

 
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150922_suicidio_jovens_fd?SThisFB

http://www.cvv.org.br/cvv.php

http://www.setembroamarelo.org.br/



29 de ago de 2016

E o discurso?? Confesso...voz embargada!!!


 
 
Excelentíssimo senhor professor Hamilton de Moura Figueiredo, pró-reitor de Ensino e reitor substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS),  Ilmo senhor professor Gleison Nascimento, Diretor do IFRS – Campus Restinga. Estimada professora Hernanda Tonini, paraninfa, estimados professores homenageados, Neudy Alex Demichel e Cristina Rorig. Estimada servidora homenageada, Maria de Fátima Lopes. Estimados colegas e amigos formandos, demais acadêmicos do GDL, aos familiares e amigos presentes....

Meu cordial boa noite...

Toda a “fala” que encerra um ciclo de conquistas e vitórias costuma iniciar com agradecimento a Deus, ao Criador. Em respeito às diferentes religiões representadas neste ambiente e ao heterogêneo grupo de formandos optei em fazê-lo de forma diferente.

O sambista cantarolou no samba intitulado “Força maior” ...que sua força é a fé que carrega no fundo do peito, quando nada dá pé é amém é axé não tem jeito. No terreiro ELE é Oxalá,  no Oriente ele é Alá. Ninguém sabe explicar essa força maior. ELE sempre estende a mão, não importa a religião. Não tem raça, não tem nação, porque Deus é um só. **** Diante disso, convido os presentes a silenciar por 15 segundos e assim realizarmos juntos, cada um, do seu modo o “seu agradecimento pessoal”. Obrigado...
Prezados....Quando os poetas compuseram a canção “Encontros e partidas” certamente havia uma motivação muito forte como tônica principal. “...Tem gente que vai pra nunca mais ....Tem gente que vem... quer voltar ...Tem gente que vai... quer ficar ...Tem gente que veio só olhar ...Tem gente a sorrir e a chorar... E assim, chegar e partir ... São só dois lados da mesma viagem...”. E assim que sinto este momento.

Resumir num breve discurso toda a força e energia na jornada do Curso pioneiro no Estado que aborda e discute a importância do lazer, em  nossas vidas cotidianas não é uma tarefa fácil. Embora, assegurado como um direito constitucional de todo cidadão brasileiro – o Lazer, e suas variantes e conceitos exigiu e exigirá, cada vez mais, um aprofundamento de pesquisas e de ações práticas.

Partindo de uma fundamentação teórica, passando pelas empolgadas discussões e reflexões em salas de aula, nos intervalos ou nos botecos da vida a construção foi intensa.

O grupo dos 8, carinhosamente identificado por alguns, ilustra muito nosso efetivo exercício de convivência entre pessoas completamente diferentes num mesmo espaço.  Assim registra-se nossas inúmeras vivências, enquanto grupo heterogêneo.

Walter Benjamin afirma que, “uma vivência, algo pelo qual simplesmente passamos ou atravessamos, ou algo que ocorreu, não tem valor nenhum se não puder ser transformada em alguma narrativa que possa ser compartilhada e transmitida ao grupo que pertenço. É a transmissão, é o compartilhar, que transforma a vivência em experiência”.

Enquanto alguns quebravam a cabeça com a tecnologia, outros em poucos minutos resolviam as questões. Em muitos momentos alguns apressavam-se para apresentar seus trabalhos, outros atuavam de bloco e caneta na mão para questionar, levantando discussões, “ligeiramente polêmicas”. Sem dúvida, muitos de nós devem ter sentido cansaço por ouvirem histórias repetidas, semestre após semestre. Entretanto, posso afirmar que outros tantos vibraram com as mesmas histórias. Possivelmente, a maturidade do mais jovem tenha ofuscado a juventude do mais velho. Ou quem sabe até empolgado o mais tímido e por que não freado o mais vibrante??
Em relação à satisfação da convivência represento e ilustro como uma das muitas atividades realizadas ao longo do Curso. Refiro uma trilha na Zona Sul da Cidade, onde devidamente orientados em relação ao nível de risco apresentado, percorremos caminhos desconhecidos e que, ao nos deparar com algum trecho ameaçador não vacilemos em estender a mão (e por que não pedir apoio?), nos apoiar no parceiro e buscar ajuda para prosseguirmos. Independente dos humores, da cor da pele, do gênero e de tudo mais. A simbologia exata de como foi nossa caminhada até aqui. E como deve ser o enfrentamento ao mundo acelerado e as múltiplas facetas da VIDA.
Com o diploma na mão e o devido registro profissional nossa colocação no mercado de trabalho estará garantida?? De forma alguma. O investimento deve ser ampliado como mostra o Mundo à  nossa volta.
Nossos docentes, nossas discussões e descobertas nos levaram às prateleiras da Biblioteca, aos núcleos de investigação acadêmica, às fontes de pesquisa virtual, às discussões coletivas em Congressos e Seminários. Tudo isto foi fácil?? Nada.
Nesta etapa mais avançada da fala, onde cabem os agradecimentos gostaria de iniciar destacando o agradecimento à Reitoria do IFRS que tão prontamente sinaliza e acolhe nossas demandas institucionais. Num outro momento, ao Diretor Geral do Campus Restinga, professor Gleison que não mediu esforços para ir ao encontro dos acadêmicos, seja via email, ou nas salas de aula e corredores. Mantendo efetivamente a porta aberta de sua sala.
Aos servidores do IFRS, representados pela colega Maria de Fátima queria expressar nossa gratidão aos demais colegas servidores e trabalhadores em educação. Dos vigilantes atentos que, logo cedo nos acolhiam com um “bom dia”, aos responsáveis pela higiene e limpeza dos espaços da Instituição; aos servidores da Biblioteca, por encontrarmos as obras e os livros no lugar certo; àqueles que nos prestaram orientações e informações nas áreas administrativas; aos responsáveis pela manutenção dos equipamentos e computadores.
Aos colegas acadêmicos que nos prestigiam e darão continuidade aos nossos estudos sobre Desporto e Lazer.
Aos professores homenageados, professor Neudi e professora Cristina para que possam transmitir nossa gratidão aos demais docentes pela dedicação e envolvimento com NOSSO SABER.

À professora Hernanda, atual coordenadora do GDL, que contribuiu desde a implantação do curso até os dias de hoje.  (convido o colega JUAREZ para entregar um “mimo”)

À professora Cintia Stochero...Aretê.... Obrigado por dividir teus sonhos, pelos conhecimentos compartilhados, pelo brilho nos olhos, pela idealização e realização do GDL.  (convido o colega Renata para entregar um “mimo”)

Aos familiares dos colegas formandos: à dona Ceres por fortalecer a retaguarda do Juarez, cedendo muitas vezes doses de estímulo e algumas peças de roupa (boina vermelha na visita técnica ao CETE); à Aninha por apoiar e contribuir com os conhecimentos de informática da vovó Rejane; à “Rô” por ceder seus livros de pedagogia, seu computador ao Alexandre; ao Marcelinho, por apoiar constantemente e enfrentar de forma heroica a TPM da Renata (coisas que todas as mulheres atravessam); ao João pelo apoio à Jaque, oferecendo o ombro sempre que foi necessário; aos familiares do Roberto, que pela discrição, porém pela disciplina e entusiasmo colaboraram muito, mesmo com suas identidades preservadas; à Vanessa e aos manos e manas do Thiago por significarem apoio e  motivação para a conclusão do curso; à Patrícia e as gurias pelas caronas à Restinga, ao chá quente das madrugadas, à parceria e torcida de todas as horas. Muito obrigado a todos. 

Aos aguerridos moradores da Restinga que, há alguns anos percorrendo órgãos públicos, numa caminhada de porta a porta, acreditando no sonho de oportunizar seus filhos, netos, familiares e cidadãos de todos os locais, um espaço de excelência acadêmica como é o IFRS/Restinga. O sonho de trazer para a Comunidade da Restinga o Ensino Superior de altíssimo nível, público e gratuito (Políticas públicas de educação) transformando-se em realidade. Se tudo isto que vivemos, neste dia especial, foi possível pelo esforço desta gente!! Nosso muito obrigado.
Enquanto aguardava ansioso o momento da “fala”, segurava na mão, minha identidade estudantil para simbolizar que por onde andar, carregarei meu crachá e minhas melhores recordações nestes últimos anos que marcaram meu retorno à vida acadêmica.
Outrora um bom discurso entusiasmado serviu para as pessoas se unirem e se ajudarem. Porém, o tempo atual é diferente e requer atitudes concretas e resultados para que as pessoas se entusiasmem novamente. É assim. Bem simples.
Por fim convido a todos, a aplaudir de forma entusiasmada o povo da Restinga (o acadêmico Luiz Ventura e seus companheiros de lutas sociais e comunitárias) e todos aqueles que acreditaram na transformação do Brasil através de novas e desafiantes Políticas Públicas de Educação. Embora jovem ainda, porém MUITO PROMISSORA como solução para alcançar um País mais justo e mais igual.
Boa noite a todos....