13 de nov de 2015

Quando sonhamos sozinhos é apenas um SONHO. Quando sonhamos de forma coletiva, VIRA REALIDADE...

                
                 A letra do samba que "...um mundo com mais educação, pode garantir um futuro melhor..." Diz ainda que "...Cultura, igualdade, liberdade no direito de ir e vir...meu respeito ao Instituto Federal, minha ciência por você é comprovada..." Eu concordo com o carnavalesco.
               Diariamente percorro aproximadamente 60km em busca de conhecimentos, novas vivências, troca de saberes, energias, boas piadas, novos desafios, alguns desapontamentos, enfim, movimentando a "rota pessoal de cultura". Estou me referindo aos meus estudos sobre lazer e desporto que realizo com meus colegas e professores no IFRS/Restinga. Isto mesmo, de "boca bem cheia" anuncio aos quatro ventos minha satisfação em ser um dos alunos da primeira turma de Gestão Desportiva e Lazer, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.
                 Participando de um grupo heterogêneo de alunos que mescla experientes de 18 e jovens de 67 anos, docentes de alto nível acadêmico que desfilam teóricos clássicos e contemporâneos, em debates constantes de discussões que, em muitas vezes contrariam minhas posições pessoais, porém provocam e desafiam a que eu busque aprofundar meus conhecimentos para "ou reforçar meu ponto de vista ou revê-los". Discutir o direito constitucional ao lazer sob os mais diferentes aspectos.                
               Refletir sobre a concentração do poder, show bussines e os investimentos no esporte de alto rendimento. E num segundo momento ter acesso a Projetos de Pesquisa e Extensão, Projetos Sociais e à realidades e discussões com temas como vulnerabilidade social, econômica, física, emocional e por que não conceitual?? O acolhimento dos servidores da Instituição, a atenção da galera da Biblioteca, a conversa franca com os docentes, circular pelos corredores e "esbarrar" no Diretor e no Diretor de Ensino e o DESAFIO MAIOR de buscar uma qualificação acadêmica Superior numa Instituição de Ensino Federal numa Comunidade de Porto Alegre, de fato não tem preço!!
Perdoem, meus amigos diletos...e sem entrar no mérito de bandeiras partidárias, mas não posso deixar de VIBRAR com a iniciativa das Políticas Públicas de Educação dos últimos tempos. CURSO SUPERIOR na "TINGA" é TUDO!!! 
              Precisa dizer mais?? Precisa...FELICIDADES, IFRS/RESTINGA e que venha mais 45 anos de vida plena, formando cada vez mais acadêmicos e qualificando através do "grande caldeirão" de saberes que são suas salas de aula.
           Que a União da Tinga, a segunda escola de samba do bairro, e forte ferramenta de cultura popular local possa ter toda a luminosidade na avenida como nós temos em sala de aula.
#toorgulhosodemais

Edinho Silva - acadêmico de Gestão Desportiva e de Lazer e Presidente do CAGEL

https://www.youtube.com/watch?v=_L62YOyn9FY#t=382

10 de nov de 2015

Afinal, "Santo de Casa faz milagre" ou não?? Com a palavra o produtor Luis Fernando Silva




As andanças próximas à música popular brasileira (ou Música Pra Pular Brasileira, como chamava um Projeto de Verão do pagodeiro universitário Guilherme Alf, do Na  moral...lembram??) me apresentaram o Luis Fernando Silva. Produtor artístico e "agitador cultural" que à época trabalhava na Produtora Nova Hera, do saudoso Paulo César. Numa festa conhecida como o Revellion da Rádio Cidade FM, quando os melhores grupos daquele momento reuniram-se na quadra dos Imperadores para celebrar com o público o melhor do samba da época nossa apresentação foi ampliando-se.
Como nos dias atuais, a cena artística do RS não era muito diferente. Muitas bandas, inúmeros artistas, gente que brilhava, outros pensavam que brilhavam. Alguns ofuscavam, outros reclamavam. Os do "Centro do País", como ainda acontece nos dias de hoje eram os "queridinhos" e lotavam as casas locais. E quando tocavam os NOSSOS para NOSSA Gente?? O crítico público da terrinha torcia o nariz. Era preciso passar uma temporada em São Paulo, por exemplo, para retornar com uma chamada de "atração nacional"?? Parece engraçado, mas é a pura verdade. Era necessário "carimbar" o passaporte em alguma apresentação para depois voltar aos palcos gaúchos.
Pois, o inquieto Luis Fernando,  perseverante como poucos,  insistia em realizar um Projeto Musical que oportunizasse os grupos novos na cena e contemplasse os que de alguma forma haviam marcado a história da música do RS. Em meio aos seus pen drives, discos e pensamentos teve uma idéia luminosa: "Por que não lançar o volume 4 da Coletânea Sul, Samba & Swing?" Compartilhou seu sonho com várias pessoas e, entre elas, comigo. O Edinho Silva, do Armazém do seu Brasil. Completamente atarefado (como sempre) não pude contribuir com a intensidade que desejava, porém, queria colaborar de alguma forma. E assim, fui rabiscando o texto intitulado "Santo de casa faz milagre sim!!" para ilustrar a contracapa do cd.  Como referi em postagem anterior http://armazemdoseubrasil.blogspot.com.br/2015/10/o-criador-ta-olhando-hein.html o tão aguardado dia chegaria. E chegou. Com um simpático sol, delegações vindas do Interior do Estado para prestigiar o lançamento do disco, curtir seu grupo afetivo e sambar muito ia aproximando-se próximo à quadra da Saldanha. Infelizmente, por normas do anfitrião ou problemas na comunicação, foram identificadas algumas situações de desconforto, pois algumas pessoas não puderam acessar os espaços da Banda da Saldanha, mesmo tendo viajado muitos quilômetros para chegar até Porto Alegre. Isto "ofuscou" o brilho da festa?? Que nada!! Na companhia do Diego Cimirro, o responsável pelo backstage do evento pude conhecer um pouco da história do Saulo Marques, do colorado "seu Saraiva" que com sua família e amigos não via a hora de ingressar na Saldanha e "largar" a costela bovina da Fronteira nas brasas. Conheci também uma parte do grupo Nosso Stylo. E como sempre, o "eletrizante e competente" Paulinho Boy - o produtor mor de palco, nos acompanhava no acolhimento aos convidados do Interior. A hora foi passando e logo em seguida, com a chegada do Sérgio, representando a Banda da Saldanha, juntamente com a atenciosa galera da segurança e os demais integrantes da "fábrica de entretenimento popular" que transformou-se a Banda da Saldanha originalmente, criada pelo Pedro Diogo e de forma talentosa conduzida pelo Dioguinho. Reencontrei pessoas que não via há muito tempo. Por exemplo, o atencioso comunicador Paulo Vidal, uma das vozes marcantes da inesquecível Rádio Metro, que faria a apresentação das atrações do dia. O Bi Fernando, que atuaria na coordenação do palco com toda sua larga experiência na área da produção. Conheci gente também. O Serginho, primo do Luis Fernando, que apoiou o grupo que coordenava o acesso dos convidados da "festança".
Por conta de outros compromissos pessoais não consegui acompanhar o desenrolar da festa e conferir de perto a performance dos Medinas & Cia, com o seleto desfile de clássicos imortalizados na voz do pai. O reencontro no palco, do Odir e do Vidal (putz, que saudades!! De algum lugar o Roxo e o Delmar Barbosa estava rindo à toa!!!). Não consegui assistir a apresentação do meu bruxo Juliano Barcelos sendo acompanhado pelo cavaco do Alemão Charles (registro que onde vejo Alemão e o Reloginho do pandeiro do Sambeabá, lembro com saudades do Dadinho do Samba Quente). Não pude abraçar e cumprimentar o Matheus Santos pela força com que defende os sambistas locais em termos de divulgação. Não pude aplaudir o amigo do seu Saraiva, Saulo Marques. E direto do Alegrete o estiloso Nosso Stylo. Os Sambavox e os Arteiros. E meus conterrâneos, Dhamballá?? Terei que ir até os Zíngaros para conferir de perto. Não esqueci dos parceiros do Lua Cheia, de Pelotas. Quem me encontrou pela manhã conseguiu perceber minha homenagem ao swing da "princesa" Pelotas. Vestia uma camiseta do Xavante, bem no estilo do Seu João do Armazém. Faltou alguém?? Muita gente, porém registro meu pesar em não ter acompanhado o Dequinho na companhia do metal do Pastel.
Repetindo a pergunta: Faltou citar alguém?? Sim. O Diretor Executivo Junior Santanna da Silva, o Juninho da Reversos. Filho mais velho do Luis Fernando. Como podem perceber, possivelmente a função foi um sucesso porque foi selada por familiares e amigos. Conheci também o Edison Da Rosa Moncorvo (da Invoga).
Quais serão os próximos passos?? Acredito que outras festas de lançamento. Um passarinho me contou que a agenda é a seguinte: dia 28 de novembro em Bagé, dia 12 de dezembro em Livramento, dia 19 de dezembro em Porto Alegre, janeiro e fevereiro na praia. É isso, Luis Fernando??
Por favor...me respondam honestamente: "Santo de casa faz ou não milagres??"
Parabéns a todos envolvidos e até breve.

Edinho Silva

Em tempo: Quer conhecer o texto citado "Santo de casa faz milagre"?? Adquire o disco e te delicia com o repertório escalado.