14 de jul de 2011

Batucada do Armazém no Mundo do Samba



Se o samba ganhará um novo formato a partir do dia 30/07/2011, sábado ainda não sabemos, mas que a energia e vibração de todas as pessoas envolvidas na história a Batucada do Armazém não tem dúvidas. O cavaco do Roberto Nascimento vai falar alto, o surdo do Gilmar Dornelles vai sofrer pancada firme, os dedos do Rogério Sete Cordas, neste dia, serão ainda mais mágicos, o Fábio Ananias  vai interpretar do Xandi de Pilares a Jorge Aragão e o Volnei Neves, orquestrando tudo e prometendo função com seu tantan.
E como disse um dia, o Benito de Paula, "Queremos ver o sorriso estampado, bem na cara desta gente!!". Onde tem Batucada do Armazém, as coisas estão no seu lugar quando o assunto é samba.  Valeu, Jackson Reinaldo...é "nóis".
Abraço,

Edinho Silva


Serviço:

O Mundo do samba
Onde? Armazém Pub 8 (João Alfredo, 199 -Cidade Baixa) bem pertinho da Perimetral
Quando? 30/07/2011 - sábado - 22h
Quanto? Preços especiais e promoções aos aniversariantes
Diferencial? Gente bonita e alegre, segurança, lugar amplo, samba bacana, bebida gelada e a preços acessíveis (litrão a R$6,00)
Informações? Em breve....

Vidro ruim não quebra



O Carlito Trovão nos conta que, quando nasceu a filha mais nova do Joãozinho do Cavaco, Maria Clara, o Vilmar do Tantan foi visitá-la logo na primeira semana em que havia chegado em casa. Gisele, a mãe da criança, recuperava-se do parto em repouso domiciliar enquanto o bebezinho acostumava-se à casa nova. Joãozinho foi pego de surpresa pela visita inesperada do amigo que chegou perto das 18h, com um saco cheio de balas de mel e dois pirulitos. "Nenê novo gosta de doce", dizia Vilmar. Ligeiramente alterada (etilicamente, falando) Vilmar foi impedido de visitar mãe e filha que estavam no quarto. Joãozinho, o dono da casa, o amigo até a cozinha para conversarem um pouco e depois providenciar algo para comer. Próximo à geladeira da casa, Vilmar avistou um vidro grande de cachaça com butiá guardado há algum tempo. Em meio às funções de criança nova na casa, Joãozinho pediu licença ao amigo e foi atender à mulher e filha. Fez isso sem antes recomendar ao Vilmar que este ficasse muito à vontade que ELE já retornaria. O amigo então, sozinho naquele espaço, ouvindo um radinho, mirando o vidro com o butiá, não teve dúvidas. Localizou um copinho de vidro e se atracou.
Joãozinho cansado das novas rotinas adormeceu ao lado da cama da mulher e esqueceu do amigo. Quase duas horas depois, acordou repentinamente e ao lembrar da visita rumou para a cozinha em passo acelerado. Chegando lá teve uma surpresa. O amigo roncava com a cabeça descansando sobre a mesa diante de um livro vazio e alguns caroços de butiá espalhados pelo chão. O bandido havia chupado até os butiás.
Ao acordar o amigo Vilmar este pediu desculpas por ter cochilado e disse que iria dar um beijo na nenê e iria embora. O pai zeloso, Joãozinho agradeceu alertando que, mãe e filha estavam dormindo naquele momento. Na realidade, temeu o BAFO do amigo que diante do alto teor de álcool faria a criança dormir 3 dias ininterruptos. O Carlito afirma que o nego Vilmar não desmente e ainda conclui que "a coisinha era forte, mas bem docinha"...hehehehehe.

O cheque nosso de cada dia





  • Toninho Correa, amigo de capoeira e de drinques do Zé Prettin "baixou" num badalado Boteco da Cidade Baixa para tomar algumas biritas e ser apresentado à umas amigas novas estudantes da FAMECOS, da PUCRS. Galera bonita, perfumada e bem vestidas, morenas, loiras, ruivas, negras...o "cardápio" era grande e variado segundo moço. Petiscos à mesa, cervejas e mais cervejas e a noite foi avançando. Já passava da meia noite quando a música iniciou. O ritmo era um genuíno samba, daqueles de fazer a Lapa tremer. E a noite foi ficando animada. E a cerveja tomando conta das cabeças. Lá pelas 5 da madrugada, boa parte do grupo já havia tomado o rumo de sua casa ou um outro lugar mais aconchegante. O Toninho já estava pra lá de Tóquio ou Moscou. Mal podia falar, pois tinha bebido TUDO - cerveja, tequila, uísque, caipirinha, vodka pura, Absinto, coca-cola. Bebeu geral e o que serviam ELE tomava. Foi até o caixa e de comanda na mão pediu para  ser somada sua despesa. Pegou o talão de cheque, preenchendo a folha quase psicografando e na hora de assinar borrou tudo. Passou para a segunda tentativa. Novamente, psicografou o valor do cheque e acabou assinando fora da folha. Literalmente, sobre o balcão do bar. Por sorte como era velho conhecido da casa, foi colocado num táxi pelo gerente da balada e só veio buscar o carro e pagar a conta na noite seguinte. E logicamente, só tomou água tônica, para tentar recuperar a imagem diante do público feminino frequentador do lugar.