23 de dez de 2016

Sérgio Peixoto - Um olhar generoso na direção do Carnaval e da Cultura Popular no RS

    O internacional bailarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus cumprimentando o pesquisador Sérgio Peixoto - arquivo pessoal do CETE

         Posentão...

           Tristeza pouca é bobagem!! Num tempo em que, ações políticas de todas as origens e esferas, sejam elas nacionais, estaduais e municipais, chegam  afrontando e ameaçando a todos que apreciam, lutam e vibram com Cultura Popular e todas as manifestações próximas a ela, principalmente em terras gaúchas, nos chega a triste notícia da "passagem" do Sérgio Peixoto. Aplicado pesquisador, incansável estudioso, temista de grife, polêmico, generoso, e fundamentalmente, um artista inquieto e ousado.
       Estivemos juntos em algumas oportunidades, onde prevalecia o tratamento cordial entre professor e aluno. Sujeito educado, de personalidade forte, amado por muitos, questionados por outros tantos, mas nunca tímido na disposição em ajudar a quem necessitasse.
Em 2011, nas minhas "maluquices" em propor reflexões e conversas sobre Cultura Popular, Gente, Samba e Carnaval, através de um dos muitos projetos que idealizei cheguei até o Sérgio Peixoto que conversaria com os meus convidados sobre Temas Enredo, Gestão e coisas do Carnaval. Mais ou menos 40 minutos antes do horário combinado, "o cara" chegou ao local. Trazia sob o braço um radinho onde acompanhava uma partida do seu time do coração (Gremio futebol Portoalegrense). Sem roteiros específicos conversamos sobre os mais diversos temas que envolva Carnaval e samba. Falou de costureiras e profissionais de barracão, de como nascia e se desenvolvia um tema enredo, profissionais e artistas do mundo carnavalesco. Desfiles em Porto Alegre, no RS e no Brasil. Um verdadeiro arquivo sobre a temática.
          Passou um tempo, reencontrei no Sambagé, em programa de rádio comandado pelo jornalista Alex Bagé, onde dividia a bancada com o Renato Araújo e outros convidados. Novas aulas sobre o assunto. Tudo sempre com muita paciência e disposição do professor.
           Mais adiante, convidou-me a acompanhar suas ações e do CETE - grupo montado para discutir e estudar Carnaval. O famoso CETE - Centro de Estudos de Temas Enredos, cuja composição era de artistas populares, pesquisadores, carnavalescos, anônimos e simpatizantes do samba e do Carnaval. 
SEMPRE fui acolhido pelo Sérgio Peixoto e por seus parceiros de estudos com muitas honrarias. Quero acreditar que foi pela simpatia das pessoas, mas principalmente por ter sido apresentado pela "cabeça mestre" do grupo.
          Falar do Varal do samba, mostra e exposição de camisetas de Escolas de Samba de Porto Alegre e do Brasil, assim como, as ousadas ações que envolviam diferentes religiões e pessoas como o CETE propôs nas Igrejas das Dores e no ano seguinte na do Rosário certamente necessitaria mais algumas "meia dúzia" de postagens.Todas as experiências sempre foram muito gratificantes.
         Ao conseguir a classificação de dois trabalhos em Concurso Cultural da Fundação Edison Carneiro, do RJ pude compartilhar a mesma honraria que meus parceiros do CETE. Eu não consegui as primeiras colocações, mas ser indicado ao lado de trabalhos como o desenvolvido pelo CETE foi gratificante.
        Ouvir o Sérgio Peixoto falar sobre as antigas agremiações e carnavalescos do passado também era muito esclarecedor e empolgante. Uma garrafa de café e dois pacotes de biscoito era pouco para ilustrar o papo.
      Por fim, registro nosso último contato breve nas escadarias da Igreja das Dores, quando conversava e aprendia um pouco mais sobre Porto Alegre com o também artista plástico e profissional das artes populares Guaraci Feijó, ao passar por mim, com os olhos marejados de emoção, o querido Sérgio Peixoto, me abraçou, dizendo "MUITO OBRIGADO, por estar aqui também". Ouvir um comentário de alguém que se mostrava incansável em agregar coisas populares com as acadêmicas, de tantos serviços prestados à Porto Alegre batalhando pela Cultura Popular é uma medalha dourada. 
          Siga em paz, meu amigo...Se encontrares o seu Vicente Rao e tantos outros que marcaram seus espaços no mundo carnavalesco e sambista, diga a ELES sem timidez que, tu SEMPRE BUSCOU ETERNIZAR A MEMÓRIA DELES.
A Cultura popular e o Carnaval de Porto Alegre um pouco mais triste. E eu também!!!  

Edinho silva

19 de dez de 2016

Metade do caminho percorrido - meus 50 anos



            Posentão...

           Ao completar 50 anos, no dia de hoje, 19.12.2016 não poderia deixar de registrar alguma postagem sobre a data. "Bora lá"...
           Sempre que ouvia que a média de expectativa de brasileiros chegaria entre 67 ou 68 anos de vida. A Medicina foi evoluindo, as pesquisas voltadas para a alimentação e outras coisitas colaboraram para mudanças nestas verdades anunciadas. Particularmente, confesso que, a "coisa" para meu lado ganhou um ritmo acelerado. Aliás, para quem não chegou, né! Atingir a marca de 50 anos com muitas coisas positivas a agradecer é bastante positivo. 
            Meus queridos pais, o seu BAIXINHO e a dona CARMINHA, não conseguiram acompanhar meu novo momento de vida. Partiram desse Plano um pouco depois de completarem os seus 50 anos. Não conheceram meu bigode, nem meus tres digitos na balança, não conviveram com minha nova familia, não conseguiram acompanhar algumas conquistas pessoais, não conheceram o bisneto Ricardinho (o garotão da foto) e nem souberam da existência do Armazém do seu Brasil (meu blog de agregar pessoas). Coisas da vida...o Criador sabe o que faz. Como alcanço ELES! Sendo EDINHO SILVA - Edinho de Edison Baixinho e SILVA, da dona Carminha. Busco carregar por onde passo e compartilhar sempre que é permitido os muitos valores que foram transferidos. Espalho só as virtudes!! Sim. E os defeitos! Seguem juntos, pois afinal não conheça ninguém que não os tenha. SOMOS o tempo inteiro, metade anjo e metade demonio. Devemos estar alertas para definir qual dos dois precisam ser alimentados para não machucar seus semelhantes. A autencidade no trato e originalidade, possivelmente sejam ferramentas fundamentais para o exito.
           Voltamos à trajetória do Cinquentenário. Procurei ao longo deste tempo, aprender todas as coisas que me ensinaram e sempre que pude repassei meu conhecimento. Ouvi um dia frases como, "trabalhar enobrece" e "Deus ajuda a quem cedo madruga", embora reconheça que o melhor foi ter aprendido que NÃO PRECISAMOS TRABALHAR À EXAUSTÃO para sermos nobres, mas sim brigarmos por oportunidades iguais (ou justas, né!!) e por direitos conquistados. Em relação ao "madrugador" pude perceber que um dos grandes males da Humanidade é a intolerancia religiosa. Nem o CRIADOR, nem OXALÁ, nem o Buda, nem Alah, nem Gandi, nem a Biblia do Malafaia (SQN) seriam tão crúeis para não ajudar quem trabalha a qualquer hora do dia. REFLETIR sobre as coisas é o ouro. OBSERVAR A VIDA e não observar, como costumamos fazer.
           Ao longo do Cinquentenário, trabalhei em dois único empregos. Isto é bom ou ruim!! Depende da ótica. Eu gostei e gosto, muito dos meus. Construi amizades, aprendi muita coisa e a qualquer hora desejada sou bem recebido nestes locais. Frequentei diferentes cursos universitários em Instituições Privadas, porém foi numa pública, na Comunidade da Restinga (IFRS|Restinga) que EU mais me identifiquei enquanto acadêmico. Falando em qualificações profissionais, ao longo dos 50 anos, consegui alguns registros. Como Técnico em Segurança do Trabalho possuo registro no Ministério do Trabalho; como Massoterapeuta tenho DIFEP há 20 anos, na FGFS também lasquei um registro por lá; na condição de radialista também possuo uma habilitação reconhecida; como avaliador de Carnaval e manifestações populares também busquei o reconhecimento. O último deles é o registro no CRA|RS (Conselho Regional de Administração) sob o número 002441, na condição de Gestor Público, Desportivo e de Lazer. Mesmo com o curriculo lattes desatualizado, assunto e certificado é que não faltam.
           E o reconhecimento público!! Não faz falta. Minha porção "narcisa" colide com minha discrição e timidez. O Armazém do seu Brasil (blog que criei para colocar na rua  minhas estórias) já foi acessado até os dias de hoje por mais de 50.000 pessoas desde 2010. Meu programa de rádio com o mesmo nome atingiu números positivos de audiencia numa rádio web.
           E a familia! Ih...mais um momento lágrima. Na companhia da mulher Patynha, das filhas Polyka, Karol, Paola, Esmeralda e do Eninho. Construimos um "caldeirão" de sentimentos, divergências, harmonias e tudo que provoque VIDA e sensações boas. Este espaço poderia servir como cenário de um comercial de margarina!! Claro que não. Lá não tem roteiro, nem cenário. Pode ter figurino, maquiagem e muitas temáticas a serem discutidas. Os "lerdos" ensinam os "acelerados" a acalmarem-se. E os "agitados" ensinam os "molezas" a se ligarem. É fácil, tudo isso!! E quem disse que as facilidades ensinam alguma coisa!!
            E vem o momento Ricardinho...Ninguém sabe ao certo qual seria o tempo de vida de cada um. Mas AGRADECER o que recebi até aqui e bem "de canto" pedir mais alguns 30 anos para acompanhar o crescimento do Alemãozinho e todos os que vierem à minha volta...Eu posso pedir em oração, né!!
        Se o pseudo presidente do Brasil, seus "parceirinhos" e suas propostas indecentes querem que EU trabalhe até os 90 anos, que seja com saúde e bom humor como o do Ricardinho Venturela Richter.

Edinho Silva

Espaço de samba! RECOMENDO Quintal TIA ACÁCIA

  • A CASA 
                O último final de semana antes do Natal de 2016 foi marcado por um circuito bem bacana que fiz por lugares onde o samba é celebrado. No sábado, no início da tarde, fui até o bairro Santo Antonio onde por muito tempo ocorreu as famosas rodas de samba do Andaraí (Samuca Guedes, Zé Oliveira, Fabio Fernandes e muitos outros). Era a churrascada de final do ano da turma de amigos.
               Depois fui ao Ipiranguinha, onde acontece todos os sábados à tarde uma swingueira mistura com samba, muita dança e pessoas animadas. Sai deste local e fui à Leopoldo Bier conferir a concentração do Bloco da Santana, do meu parceiro "Dorinho" Kleber Dorneles e da sua mulher Denise. Á noite fiquei em casa conferindo com a familia o DVD do Quintal do Zeca.
              No domingo pela manhã fui até o QUINTAL Tia Acácia, prestigiar uma iniciativa solidária da AME e do Régis Uchoa, da Rádio Saldanha. Voltei para casa para almoçar com a familia e no finalzinho da tarde, "me larguei" para o Parque da Redenção prestigiar o seu Jessé, como diria o saudoso, Adoniram. Isto mesmo, fomos curtir, mulher e filhos, uma avalanche de sambas antológicos na voz de Zeca Pagodinho.
              Coisa bem boa...o final de semana.
             Aliás, reitero e destaco as boas impressões que fiquei quando estive no QUINTAL Tia ACÁCIA. Lugar bonito, aprazível e de bom gosto. A "carta" de bebidas variada e um chopp de tomar de balde. Pelo preço e pela temperatura.  O atendimento de primeira feito pelo proprietário Alessandro. Sem "óleo de oliva" pude afirmar ao moço. Com casas como a tua, o SAMBA não agoniza e tampouco, morre. EU RECOMENDO....MUITO.
    Edinho Silva