4 de mai de 2018

Lágrimas no rosto de um homem



Um Homem pode chorar??

        Lógico. Chora de tristeza, de raiva, de desespero, de euforia, de saudade, de dor. E por que não de EMOÇÃO?? Pois, na semana passada chorei muitas vezes. Explico.
       Outro dia tentava atravessar a rua com uma menina rebelde, estudante do Bom Conselho. Inquieta, rejeitava dar a mão para atravessarmos a rua na direção da Creche da UFRGS para buscarmos sua irmãzinha. A primeira (a branquinha rebelde, chama-se Polyanna) e a segunda, a menor e mais  moreninha, chama-se Karol.
       Pois, o tempo passou e a Polyka cresceu um pouco mais mudando de escola. Saindo da particular e ingressando na escola pública (Colégio Uruguai), onde completou seus estudos de ensino fundamental. Mais um tempinho, a mocinha ingressou no Piratini, mais uma escola pública em sua vida.
      Preparação para seu primeiro vestibular, matrículas em cursinhos e tal. Leituras indicadas, cálculos, matemáticos, ciências humanas pra lá e exatas pra cá. E a mocinha não obteve êxito na Federal. Passou na particular (PUCRS). Enfim, coisas da vida. Sem perder a motivação, matriculou-se novamente no curso pré-vestibular e desta vez, num gesto determinado anunciou: "Ninguém paga o cursinho. Eu pagarei, sendo monitora.". O que nos restava como o coletivo de retaguarda (família e amigos)?? Colinho e torcida. Passado um tempinho, a inquieta Polika, nos presenteou com seu nome no listão da Federal. Nossa alegria?? Numa dimensão internacional. Aliás, o capítulo dos estudos em solo português...nem quero comentar. Foram lágrimas de saudades.
      No último dia 12/02/2014, no Salão de Atos da UFRGS a inquieta, disciplinada, estudiosa acadêmica de Políticas Públicas recebeu sua titulação. Só isso?? Nada. Exerceu, ao lado de uma colega, a tarefa de ser oradora.
     Como na propaganda de um famoso cartão de crédito, acompanhar o início de uma trajetória acadêmica de um filho na UFRGS NÃO TEM PREÇO. E de dois filhos?? Ou melhor, de duas filhas?? Ufa..Haja lágrimas.
     Ontem, foi a POLYANNA (Analista de Políticas Públicas) e ali adiante será a Karol (a educadora física).
     Tudo isso parece mágico?? Mas não é. O que verdadeiramente arranca lágrimas de um Homem como eu, é a certeza da sintonia, simplicidade, determinação, companheirismo e boa colheita. Uma aposta no crescimento individual e como coletivo de pessoas que, mesmo sendo diferentes, mas acreditam na tolerância, no respeito e por que não a idolatria entre uns e outros?? Recordar de coisas simples como atravessar a rua chorando por um picolé ou poder abraçar-lhe e dizer no teu ouvido o tamanho do orgulho que sinto de minhas filhas.
     Amo vocês.

     Beijo,

    Edinho Silva, chorando muito....


"Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança."